Eleição em Quissamã: Vice-prefeito no páreo, apoio da prefeita e polarização

Pré-candidato à prefeitura, Marcelo Batista terá o apoio da atual prefeita Fátima Pacheco. Ele é o entrevistado do Campos 24 Horas




06/02/2024, 09h07, Fotomontagem: Campos 24 Horas.


Postado por Fabiano Venancio - Agricultor, funcionário público, o vice-prefeito de Quissamã, Marcelo Batista (PP), pré-candidato à prefeitura nas eleições de outubro próximo, encara o desafio de buscar suceder a prefeita Fátima Pacheco, e afirma estar preparado para a sua mais importante missão na vida pública até aqui. Ex-vereador e também presidente da Câmara Municipal, conhecedor da realidade e das potencialidades do município, Marcelo Batista, de 54 anos, nesta entrevista ao Campos 24 Horas dentro da série sobre eleições municipais de 2024 na região, resumiu o conjunto de propostas de seu plano de governo, ao destacar a necessidade de avançar nas diferentes vocações do município como Agricultura, Turismo e também na Geração de Emprego e Renda, com uma política de atração de investimentos na Zona Especial de Negócios (ZEN), além de continuar investindo na Educação e Saúde. Tudo leva a crer que haverá polarização na eleição deste ano no município entre Marcelo e o ex-prefeito Armando Carneiro. (Leia a entrevista abaixo)


Campos 24 Horas — Em resumo, qual o conjunto de propostas inseridas em seu programa de governo? Quais os eixos centrais de sua plataforma de campanha


Marcelo Batista - O plano está sendo elaborado e será apresentado no período da campanha. Temos ouvido a população e todos os setores da sociedade, com humildade e responsabilidade. Tenho muito orgulho de conhecer o município, de saber quais as suas principais características. Ao lado da prefeita Fátima, estou no cargo de vice-prefeito desde 2017 e temos muitas conquistas nesse período. O objetivo é manter a cidade de cabeça erguida, com realizações para a população. Nunca investimos tanto na Educação, Saúde, Assistência, Esporte e demais áreas. Desejamos manter um município com as crianças na escola, ofertando saúde de qualidade, com o social valorizado. Queremos continuar avançando nas vocações, como Agricultura, Turismo e também na Geração de Emprego e Renda. (Leia mais abaixo)


C24H - A exemplo de seus vizinhos, Quissamã é um município cuja economia tornou-se dependente dos royalties do petróleo. O que tem sido feito e o que poderá ser feito para reduzir esta dependência? Quais as linhas básicas do seu plano de desenvolvimento econômico para o município, sobretudo na questão da geração de empregos?"

Marcelo -
Essa é uma característica dos municípios do Estado do Rio que recebem royalties, principalmente da nossa região, mas trabalhamos diariamente para avançar em outras formas de garantir o desenvolvimento econômico. Nosso foco é continuar investindo nas vocações tradicionais, como Turismo e Agricultura, e também atrair empresas para diversificar as opções dentro do município. Nas últimas semanas, por exemplo, anunciamos que o Programa Quissamã Empreendedor aprovou o contrato de concessão de incentivos e/ou benefícios para a instalação de um polo de produção e distribuição da empresa Guaraná Macahé, na Zona Especial de Negócios (ZEN). Uma empresa do Norte Fluminense, que tem investido na expansão e, assim, gerado oportunidades de emprego. No Turismo, criamos o Viver Quissamã, projeto que oferece cursos de qualificação para profissionais do setor e, de uma forma regionalizada através do Cidennf, teremos uma rota turística que envolve municípios do Norte e Noroeste Fluminense. Também investimos na oferta de cursos profissionalizantes, com a entrega de mais de 700 certificados nos últimos anos. (Leia mais abaixo)


C24H  - Quissamã ganhou destaque na área da cultura com a existência de um enclave de tradições patrimoniais da nossa cultura afrodescendente em Machadinha. Quais as suas propostas no campo da cultura?

Marcelo -
Quissamã é uma cidade que respira cultura. Recentemente, entregamos a reforma do Museu Casa Quissamã, um ponto cultural e turístico importante para o município e que recebe muitos turistas todos os meses. No mesmo local, temos o Casarão, mas também o Baobá, árvore centenária que representa a luta pela liberdade dos escravizados. Essa característica de preservação da história é vista em toda a cidade. No Complexo de Machadinha, apoiamos projetos que valorizam as tradições, como o Jongo, e vamos manter esse investimento. Temos projetos para a modernização dos nossos espaços, de levar a nossa história para cada vez mais pessoas. Paralelo a isso, também temos as oficinas de cultura para nossa população. São mais de 700 alunos nas aulas oferecidas no Centro Cultural Sobradinho e também nos polos de Santa Catarina, Conde e Penha. A ideia é aumentar ainda mais essa oferta de cursos e de polos em nosso município.  (Leia mais abaixo)


C24H — Na agricultura e pecuária, que tradicionalmente sempre foram braços importantes do desenvolvimento local, quais os projetos para o setor?

Marcelo -
Sou um homem do campo, criado em propriedade rural, conheço bem as características da Agricultura. Quando assumimos o governo em 2017, encontramos os equipamentos da agricultura sucateados. Com o apoio de emendas e recursos próprios, hoje, temos uma frota moderna que atende mais de 300 produtores rurais em nosso município. A Patrulha Agrícola apoia no plantio e colheita durante todo o ano, além de fornecer auxílio técnico e sementes para os trabalhadores do campo. Em parceria com o Governo do Estado, Quissamã recebeu o Programa Rio Milho, de desenvolvimento e cultivo do alimento no estado do Rio. Temos o objetivo de ampliar o Microcrédito Rural, que direciona até R$ 20 mil para o agricultor, com juros menores que os praticados pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura – Pronaf, que aplica taxas de 3% a 4,5% ao ano. Assim, o crédito vai possibilitar que o agricultor invista em tecnologia e em itens que possam viabilizar o aumento da produção.  (Leia mais abaixo)


C24H -  De que forma a Saúde avançou com a construção do hospital e o que pode ser feito para melhorar ainda mais os índices?

Marcelo -
Temos uma Saúde de referência na região. Em 2023, para se ter uma ideia, tivemos uma média superior a 90 mil procedimentos a cada quadrimestre em nosso hospital, que recebe pacientes da nossa cidade e também de municípios vizinhos. Um total de quase 300 mil em todo o ano, entre atendimentos de emergência, exames, triagem, cirurgias, entre outros serviços. Uma Saúde de qualidade, que sempre tem atenção máxima do Governo Municipal. Esses números foram reconhecidos em âmbito estadual e nacional, com uma série de premiações recebidas nos últimos anos. Também agradecemos aos profissionais do setor, pela dedicação e respeito com os pacientes. Temos excelentes resultados na Atenção Básica, Vacinação, programas. O nosso objetivo é avançar cada vez mais. Estamos construindo uma nova unidade de saúde no bairro da Penha, reformamos outras unidades, sempre pensando no bem-estar da população.  (Leia mais abaixo)

 

C24H — E a educação, como estão os índices do IDEB e suas propostas para avançar esses indicadores?


Marcelo - Não temos dúvidas que Quissamã tem uma das melhores estruturas de Educação do Estado do Rio. Investimos no ensino desde a creche até a Bolsa Universitária. Inauguramos a maior creche do município, no bairro do Sítio Quissamã, e estamos construindo mais três unidades (Machadinha, Barra do Furado e Matias). Reformamos todas as escolas, dando mais conforto e estrutura para alunos e profissionais da Educação. Para os alunos que deixam o ensino fundamental, temos a Bolsa de Ensino Médio e, depois, a oportunidade de ingressar na Universidade, com até 100% da mensalidade paga pelo município. Temos bolsas de diversos cursos, entre eles Medicina. Tivemos a melhor nota do IDEB do primeiro segmento (1º ao 5º ano de escolaridade) em 2017, superando metas estabelecidas para anos à frente. Mantivemos os bons resultados, mas a pandemia reduziu um pouco a expectativa das notas, não somente em Quissamã, mas em todo o Brasil. Porém, em nenhum momento deixamos a qualidade do nosso ensino cair. Criamos uma estratégia de ensino à distância no fechamento das escolas e, no retorno, fizemos um acompanhamento para auxiliar os estudantes no retorno à sala de aula. Para esse novo momento, entregamos tablets para os alunos, notebooks para os professores e investimos na tecnologia. (Leia mais abaixo)


C24H - Como pretende se articular politicamente para obter recursos no Rio ou em Brasília através de emendas ou liberação de verbas para projetos nos ministérios?Marcelo -  Eu e a prefeita Fátima temos um trânsito muito bom com todas as esferas, desde o Governo do Estado, Governo Federal e até mesmo com as demais prefeituras do Norte e Noroeste Fluminense. Isso desde 2017, quando assumimos a Prefeitura, com dívidas e pouco capital para investimento e buscamos recursos para transformar a realidade da cidade com emendas dos deputados em Brasília. Apostamos no diálogo e nas parcerias. Vamos constantemente a Brasília para conversar com os parlamentares e ministros, em busca de apoio a projetos importantes e sempre somos bem recebidos. A prefeita Fátima Pacheco é também presidente do Cidennf, consórcio que representa os municípios do Norte e Noroeste Fluminense, e é mais uma força para garantir esses recursos em diversas áreas, como Turismo, Agricultura, Saúde, entre outros.  (Leia mais abaixo)


c24H - Como estão as alianças com outros partidos e lideranças políticas para a composição do grupo visando a eleição? Já existe uma definição em torno do candidato a vice-prefeito?

Marcelo - Lancei a minha pré-candidatura a prefeito no final do ano passado e tivemos o apoio de oito partidos no evento (PP, PSD, PDT, PT, SOLIDARIEDADE, UNIÃO BRASIL, CIDADANIA E PSDB). Na ocasião, recebemos a visita dos prefeitos de Campos (Wladimir Garotinho), Macaé (Welberth Resende), Italva (Léo Pelanca), do deputado Jair Bitencourt, além de outras lideranças da região, como Maxwel Vaz, presidente do Solidariedade/Macaé e do vice-prefeito de Carapebus, Marcelo Borginho. Também recebemos vídeos de parlamentares como Bruno Dauaire, Doutor Serginho, Martha Rocha e Áureo Ribeiro, além do vice-governador Thiago Pampolha e de André Ceciliano, secretário nacional de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais. A política é feita de diálogo, então temos grandes apoios para o pleito deste ano. Sobre o nome do vice, é uma decisão que estamos construindo com o nosso grupo político.