Oposição com Armando no páreo e Fátima criticada por defasagem salarial

ELEIÇÃO/QUISSAMÃ- Em entrevista ao Campos24H, pré-candidato a prefeito fala sobre seus projetos e critica prefeita pela defasagem salarial dos servidores e por não desenvolver a economia local




31/01/2024, 07h39, Fotomontagem: Campos 24 Horas.


Postado por Fabiano Venancio - Ex-prefeito de Quissamã por quatro mandatos, o engenheiro agrônomo e produtor rural Armando Carneiro(PL) está novamente no páreo para disputar a prefeitura pela oposição nas eleições deste ano. Em mais uma matéria da série Eleições 2024 nos municípios da região, o Campos 24 Horas entrevistou o pré-candidato a prefeito. Além de falar sobre alguns projetos que constarão do seu programa de governo, como o complexo naval e portuário de Barra do Furado, Armando também critica o governo Fátima Pacheco, que não fez o dever de casa em áreas essenciais como desenvolver a economia local e valorizar os servidores, que sofrem com uma defasagem salarial de 50%. Já pelo governo, o pré-candidato a prefeito é o atual o vice-prefeito Marcelo Batista. (Leia mais abaixo)


Armando informou que seu programa de governo está sendo amplamente discutido com a população e adiantou ainda que um projeto de desenvolvimento econômico terá destaque no plano de governo. (Leia mais abaixo)


"A prioridade em nossa pauta é o desenvolvimento com a geração de emprego e renda. Quissamã vive basicamente dos recursos dos royalties, sem que o poder público cumpra o seu papel em criar condições para desenvolver a economia local", afirmou. (Leia mais abaixo)


Armando também lembrou que Quissamã tem o segundo maior orçamento per capita do Estado. "Quando fui prefeito abrimos o complexo naval e portuário de Barra do Furado, que ficou parado até hoje. Fizemos a Zona Especial de Negócios com empresas que se instalaram ali, assim como trouxemos a Cooperativa de Leite de Macuco para o município e construímos um galpão para o polo de costura", destacou. (Leia mais abaixo)


"A população precisa de emprego e renda, mas se tornou dependente de programas sociais", frisou. (Leia mais abaixo)


O ex-prefeito enfatizou ainda a valorização dos servidores em sua plataforma de governo. "Hoje os servidores sofrem com uma defasagem salarial de 50%, frisou. (Leia mais abaixo)


Armando esclareceu ainda que, ao contrário do que a oposição divulgou, nunca esteve inelegível desde que concluiu seu último mandato como prefeito. (Leia mais abaixo)


"Tanto que fui candidato e disputei a eleição para deputado estadual em 2018. Antes, em 2016, a oposição já divulgava está inverdade, mas eu disputei a eleição para prefeito sem nenhum problema", acrescentou. (Leia mais abaixo)


O que houve, disse ainda Armando, foi uma acusação de nepotismo. "Foi o caso de um tio meu que trabalhava na prefeitura normalmente. Não houve nada de ilícito, nem condenação alguma, seja por improbidade administrativa, dano ao erário ou por qualquer outra razão". (Leia mais abaixo)


Armando Carneiro, que está no PL, conclui afirmando que deve formar uma chapa com o ex-vereador Marcinho Pessanha (MDB). (Leia mais abaixo)


"Estamos conversando para formar essa chapa. Vamos fazer pesquisas e quem estiver na frente deve sair comi cabeça de chapa. Mas estamos também abrindo diálogo com outras forças políticas. Outros partidos e lideranças também deverão aderir à nosso grupo", finalizou.