Clima de tensão se agrava na Câmara de Vereadores de Campos

Reunião acontece nesta quarta para tentar um fim nas hostilidades entre governistas e oposição




29/11/2023, 07h24, Foto: Campos 24 Horas.


O presidente da Câmara Municipal de Campos, Marquinho Bacellar (SD), a pedido do vereador Nildo Cardoso (União Brasil), marcou uma reunião nesta quarta-feira (29), às 15h, antes da sessão plenária com todos os 25 vereadores, a fim de tentar cessar o clima de hostilidades entre a oposição e a base governista no plenário do Legislativo. Na sessão esta terça-feira, houve mais um tumulto durante a plenária (aqui), que teve de ser interrompida, com troca de hostilidades entre governistas e oposição, além da retirada de um homem que estava na plateia. Ao final, o vereador Nildo Cardoso, um dos mais experientes da Casa, falou sobre o clima de tensão e frisou que  "muita gente não assiste à TV Câmara para não perder seu tempo". (Leia mais abaixo)


“Eu estou na vida pública desde 2000, e estava ali conversando com o vereador Abdu Neme que tem cinco mandatos nesta Casa. E ficamos perguntando um ao outro: o que vamos fazer? Vamos embora? Por que eu fico pensando como nós ficamos aqui perdendo tempo com brigas e discussões pessoais. E penso também que muita gente não assiste à TV Câmara para não perder seu tempo. Vocês já pararam para pensar no desgaste que esta Casa vem tendo com a opinião pública?”, questionou Nildo. (Leia mais abaixo)


Após o fim da pacificação entre os grupos liderados pelo prefeito Wladimir Garotinho (PP) e o deputado estadual Rodrigo Bacellar (PL), o clima de tensão se agravou na Câmara. (Leia mais abaixo)


No plenário, as rusgas ficaram entre o vice-líder do governo, Juninho Virgílio (União Brasil), e Marquinho Bacellar (SD). “Vem candidato a prefeito, já que o senhor tem solução pra tudo. Vai discutir orçamento com o prefeito. Está ficando feio chamar só chamar o prefeito de frouxo”, desafiou Juninho. “Juninho, não vou me apequenar com você nessa discussão. Você teve só 158 votos a mais que o seu suplente. Vai trabalhar mais, vereador”, revidou Marquinho. (Leia mais abaixo)


Não faltaram adjetivos depreciativos no embate entre o líder do governo Álvaro Oliveira (PSD) e Dandinho de Rio Preto (PSD). Chamado de “caroneiro”, Dandinho disse que Álvaro é um “suplente” e só está na Câmara por “manobra política”.  (Leia mais abaixo)


SESSÃO QUENTE - Na sessão desta terça-feira (28), a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) - ocorrida em 1º de agosto deste ano – também esteve nos holofotes. E os embates ficaram por conta de Marquinho Bacellar com Juninho, o que provocou descontentamento de apoiadores da oposição e da situação, e o tumulto se formou. (Leia mais abaixo)


O vereador Marquinho do Transporte (PDT), que presidia a sessão no momento, ordenou que os seguranças do Legislativo retirassem alguns do recinto por suas manifestações que atrapalhavam a fala dos vereadores na tribuna. Alguns vereadores desceram para tentar conter os ânimos da plateia. Como as iniciativas não foram eficientes de imediato, a sessão precisou ser suspensa, até que a situação fosse controlada. (Leia mais abaixo)


Álvaro Oliveira pontuou que a sessão do dia 1º de agosto foi "premeditada e esdrúxula". Já Bacellar disse que a discussão levantada não passou de uma "cortina de fumaça" para abafar a operação Rebote, da Polícia Federal, que cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de Rosinha e Anthony Garotinho, sob suspeita de ter havido fraude na PreviCampos em 2016.