Vereadores se solidarizam com Wladimir e Tassiana

A delegada Madeleine Dykeman, pré-candidata à prefeitura, também foi alvo das críticas




25/06/2024, 19h12, Foto: arquivo.


Os ataques e ofensas do deputado estadual Rodrigo Amorim (PL) ao prefeito Wladimir Garotinho (PP) e à primeira dama Tassiana Oliveira ecoaram na sessão desta terça-feira (25) na Câmara Municipal de Campos. Vereadores da bancada governista repudiaram a fala do parlamentar que praticou as ofensas durante reunião de prestação de contas do vereador Marquinho Bacellar (SD), na última quinta-feira, no Automóvel Clube Fluminense. A delegada Madeleine Dykeman, pré-candidata à prefeitura pelo União Brasil, aliada de Bacellar, também foi alvo das críticas. (Leia mais abaixo)


A primeira manifestação do plenário foi do vereador Fred Rangel (PP) que propôs uma “moção de aplausos a todas as mulheres de Campos que defendem a honra e a família”. (Leia mais abaixo)


“O fato ganhou grande repercussão, não só em grupos de wattsap mas, principalmente, na mídia local. Então, diante da natureza dos ataques, isso ganhou enorme repercussão, enquanto a rede de pessoas que foram em sua defesa foi na mesma proporção. Campos precisa de ideias e proposituras que visam o desenvolvimento do nosso município. A nossa sociedade não mais tolera esses ataques, muito menos contra mulheres”, disse Fred ao explicar motivo da moção. (Leia mais abaixo)


Em meio à aprovação da moção pela maioria, os vereadores governistas se revezaram em defesa da primeira dama e críticas à delegada Madeleine. “Pra mim, ela foi a grande decepção da noite. Quando a honra da mulher campista estava sendo atacada, ela ficou de risadinhas. É inadmissível, principalmente quando se trata de uma delegada da DEAM (Delegacia de Atendimento à Mulher)”, disse Silvinho Martins (MDB). (Leia mais abaixo)


Leon Gomes (PDT) criticou a postura e o comportamento do deputado carioca. “Ele sempre faz aquele discurso medíocre. Costuma agredir servidor público, bota o dedo na cara, humilha, escorraça, sem saber que ali está um pai de família. O poder de ser deputado não lhe dá o direito de pisar e ofender as pessoas”. (Leia mais abaixo)


Tony Siqueira também alvejou o parlamentar e destacou a tradição de protagonismo das mulher campista. “Campos é uma terra de heroínas. No brasão da nossa bandeira diz ‘aqui as mulheres pelos seus direitos lutam’. Benta Pereira tem um busto no Centro da cidade; Mercedes Batista foi a primeira bailarina negra no Teatro Municipal. Aí vem um deputado de fora atacar as mulheres campistas?”. (Leia mais abaixo)


Juninho Virgílio propôs à delegada uma reflexão sobre sua pré-candidatura. “Esse deputado só ofende, não tem propostas. Quando ele ofendeu o prefeito e a primeira dama, no mínimo a senhora devia abaixar a cabeça e fazer um sinal de negativo. Mas eu convido a delegada a uma reflexão.  A senhora corre o risco de ficar no mesmo palco em várias reuniões ao lado de homens que confundem ofensas com propostas. De homens que ofendem e agridem mulheres. Será que vale a pena, delegada?”. (Leia mais abaixo)


Virgílio lembrou o histórico de Amorim em agressões a mulheres quando "quebrou a placa em homenagem a vereadora Marielle Franco, brutalmente assassinada, e atacou também uma vereadora trans do Rio de Janeiro". (Leia mais abaixo)


Já Marquinho Bacellar disse que o grupo governista já demonstra preocupação com a pré-candidatura da delegada. “Eu já estava esperando essa presepada aqui hoje.  Tentaram pegar a fala do deputado e colar em Madeleine, que deve responder pela fala dela e suas atitudes, da mesma forma que o Amorim.  Mas se estão citando e batendo assim em Madeleine é porque ela está incomodando. Só é lembrado quem incomoda. Tudo tem limite, até o jogo sujo da política. Porque jogar sujo eu sei jogar também”.