Polícia faz operação contra roubos a residências de alto padrão

Até o momento, foram cumpridos sete mandados de prisão. Um outro foragido da Justiça do Rio pelo crime de homicídio também foi capturado




10/06/2021, 10h54, Foto: Divulgação.

Policiais civis do Rio de Janeiro, por meio da 107ª DP (Paraíba do Sul), e de Minas Gerais realizam, nesta quinta-feira (10/06), a ‘Operação Esquema Preferido’ para desarticular uma organização criminosa que pratica roubos a residências de alto padrão nos dois estados. Até o momento, foram cumpridos sete mandados de prisão. Um outro foragido da Justiça do Rio pelo crime de homicídio também foi capturado. A ação acontece nas cidades de Juiz de Fora e de Divino, em Minas Gerais, e segue em andamento.(leia mais abaixo)


Agentes do 38º Batalhão da Polícia Militar RJ, da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público dos dois estados apoiam a operação. As forças de segurança também participaram do processo de investigação, que teve início após a ocorrência do maior roubo da história do município de Paraíba do Sul, ocorrido em março deste ano.(leia mais abaixo)


Na ocasião, de acordo com os policiais, criminosos armados mantiveram um empresário refém e subtraíram da residência dele uma quantia milionária de dinheiro em espécie.(leia mais abaixo)


O trabalho de inteligência da 107ª DP identificou um grupo, formado por bandidos de Minas Gerais, especializado neste tipo de roubo. Eles escolhiam e estudavam os alvos de forma criteriosa, organizando todos os detalhes do crime. O ‘modus operandi’ era manter as vítimas reféns por várias horas, sob a mira de armas, até que todo o dinheiro e joias fossem localizados. Os valores subtraídos eram investidos no tráfico de drogas ou na aquisição de carros importados, jet skis, viagens e outros bens e artigos de luxo.(leia mais abaixo)


A operação foi batizada de ‘Esquema Preferido’ porque a quadrilha investigada se dedicava a diferentes modalidades criminosas, incluindo tráfico de drogas – objeto de investigação da Polícia Civil de Minas Gerais -, porém o roubo a residências se tornou a atividade mais rentável do bando.