‘Não há razão para prisão’ de Bolsonaro, avalia Temer

Para o ex-presidente, seu sucessor no Palácio do Planalto acertou ao entregar o passaporte para a Polícia Federal




09/02/2024, 10h02, Foto: Divulgação.


O ex-presidente Michel Temer não vê motivos para uma eventual prisão de seu sucessor no comando do Palácio do Planalto. Para ele, inexistem razões jurídicas para embasar uma decisão nesse sentido contra Jair Bolsonaro.(Leia mais abaixo)


“Pelo menos pelos fatos que vieram à luz até agora, penso que não há razão para prisão [de Bolsonaro]”, disse Temer, em entrevista concedida ao canal CNN Brasil na noite desta quinta-feira, 8. “Há sempre a ‘perspectiva de’, mas a ‘perspectiva de’ depende de uma concretização de determinados fatos. E esses, caso concretizarem, sei-lo-ão adiante.”(Leia mais abaixo)


Vice-presidente da República de janeiro de 2011 a agosto de 2016, Temer assumiu o governo do país diante do impeachment da petista Dilma Rousseff. Em 1º de janeiro de 2019, ele passou a faixa presidencial para Bolsonaro.(Leia mais abaixo)


A fala sobre não enxergar razão para a prisão de Bolsonaro vai além da análise de um político experiente, que atuou como deputado federal por cinco mandatos pelo MDB/PMDB de São Paulo. Temer é um profissional do Direito, sendo bacharel pela Universidade de São Paulo e com doutorado em Direito Público pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.(Leia mais abaixo)


Ainda à CNN Brasil, o emedebista elogiou a postura adotada por parte de Bolsonaro. De acordo com Temer, o seu sucessor do Executivo federal acertou ao entregar o passaporte para a Polícia Federal.(Leia mais abaixo)


Ação contra Bolsonaro e aliados

Bolsonaro foi alvo da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela PF na manhã desta quinta-feira. No caso do ex-presidente, havia determinação, por parte do Supremo Tribunal Federal, para o recolhimento do passaporte — para impedir que ele deixe o Brasil.(Leia mais abaixo)


Ao menos três aliados de Bolsonaro acabaram presos em meio à Tempus Veritatis. O ex-deputado federal e atual presidente nacional do Partido Liberal, Valdemar Costa Neto, por exemplo, levou flagrante por porte ilegal de arma. Além disso, agentes da PF executaram mandados de prisão preventiva contra Filipe Martins e Marcelo Câmara, ex-assessores de Bolsonaro.


Fonte: Revista Oeste