Na terra de Benta Pereira, Câmara sem representação feminina; Rosilani comenta

Vereadora Rosilani do Renê fala ao Campos 24H sobre a falta de mulheres no Legislativo




21/11/2020, 09h07, Foto: Divulgação.

Na cidade onde se diz que “as próprias mulheres lutam pelos seus direitos”, conforme inscrito no brasão do pavilhão municipal, por conta da bravura de Benta Pereira e sua filha Mariana Barreto, contra o poder dos Assecas, no século XVIII, a população não elegeu nenhuma mulher para representá-la na Câmara Municipal de Campos.  Na legislatura que termina no final deste ano estão na Câmara Rosilani do Renê (PSC), Josiane Morumbi (Pros) e Joilza Rangel (DEM), que, no entanto, não tiveram votos suficientes para renovarem seus mandatos.  Na mesma legislatura, a ativista da causa animal Marcelle Pata (PR) também assumiu uma cadeira por um ano no lugar de Abdu Nene que se licenciou para ser Secretário de Saúde. (leia abaixo)


Para Rosilane do Renê, prevaleceu o famoso termo “ganha, mas não leva”. Em sua avaliação, a população contribuiu com votos para tentar eleger uma representatividade feminina". (leia mais abaixo)


— Mas vimos a diferença de campanhas milionárias contra campanhas com recursos próprios, levando propostas e ideologias.  Outro aspecto é a questão da proporcionalidade. Como estar entre os 25 vereadores mais votados e não poder tomar posse? A conta não bate, né? Ocorre que o sistema eleitoral brasileiro adora o sistema proporcional e não o mais votado. Assim, podemos ver nesta eleição diversos candidatos abaixo de 1.200 votos tomarem posse, contrariando a vontade popular — analisou Rosilane. (leia mais abaixo)


O PSC elegeu dois vereadores, ficando a vereadora na primeira suplência, o que pode levar, no futuro, que ela retorne à Câmara em 2021, conforme articulações que irão definir os novos secretários no próximo governo. “Dizem nos bastidores que já há esta conversa em andamento", revelou. "Assim, podemos acalmar as eleitoras para não perderem as esperanças de ainda termos uma representação feminina na Câmara”, destacou Rosilane. 


Num passado recente, a Câmara contou com boa representação feminina, formada por  Auxiliadora Freitas, Dona Penha, Linda Mara Silva e Odisséia Carvalho, outras vereadoras que ocuparam cadeiras na Câmara nas últimas legislaturas.  


A pioneira, entretanto, foi a professora e escritora Antônia Leitão, seguida pela também professora Hermeny Coutinho (a primeira negra eleita) na década de 70. Na década de 1990, a Ivete Marins, igualmente professora, também se elegeu vereadora. (leia mais abaixo)   


OUTRA HEROÍNA - Além de Benta Pereira e Mariana Barreto , outras mulheres ilustres e guerreiras marcaram sua época na história de Campos, como Nina Arueira, combativa escritora, jornalista, poetisa, líder sindical e comunista, na década de 1930.