Estudo mostra como as crianças aprendem a linguagem por meio de interações físicas

Pesquisa descobriu que bebês têm mais facilidade em aprender palavras associadas a objetos que podem ser tocados




14/05/2022, 00h20, Foto: Reprodução.


Para os adultos, comunicar em nossa primeira língua parece fácil e natural. No entanto, a aprendizagem da língua é um processo complexo que é influenciado por vários fatores. (leia mais abaixo)


Quando as crianças estão começando a aprender a linguagem, algumas influências, como a quantidade de fala que ouvem e a quantidade de tempo que passam em interações linguísticas com os outros, têm o que podem parecer conexões óbvias com o aprendizado da linguagem. (leia mais abaixo)


Talvez menos óbvio seja que as próprias experiências físicas das crianças com seu ambiente as ajudam a aprender novas palavras.


Em uma nova pesquisa de ciências cognitivas, pesquisadores investigam como esse é o caso, considerando como as crianças aprendem palavras que se referem a algo que você pode tocar, agarrar e interagir.


Os cientistas pediram aos pais que avaliassem a facilidade com que uma criança pode interagir fisicamente com o objeto, ideia ou experiência a que uma palavra se refere.


Eles descobriram que palavras que se referem a objetos com os quais as crianças interagem facilmente são também palavras aprendidas em uma idade mais precoce.


Colher: Algo que você toca


Por exemplo, uma palavra como colher geralmente é aprendida antes de uma palavra como céu. E essa relação permanece mesmo quando consideramos outras coisas que podem afetar o aprendizado de palavras, como o quão comum uma palavra é na linguagem cotidiana.


Palavras como colher e céu são relevantes para a vida cotidiana e, portanto, as crianças provavelmente ouvirão essas palavras bem cedo em seu desenvolvimento. Uma diferença entre eles é que a colher se refere a algo que você pode tocar, agarrar e interagir, enquanto o céu não.


Por que a experiência física ajuda


Nossas descobertas concordam com as de estudos em que bebês e crianças pequenas usavam pequenas câmeras corporais montadas na cabeça para registrar suas interações com objetos. Esses estudos mostram que a própria experiência física das crianças as ajuda a aprender novas palavras.


Por exemplo, em um estudo, os pesquisadores descobriram que crianças de 1 ano e seis meses eram mais propensas a aprender o nome de um novo objeto quando seguravam esse objeto, e menos propensas a aprender o nome se seus pais segurassem o novo objeto.


Outro estudo descobriu que crianças de 1 ano e três meses que passaram mais tempo manipulando novos objetos aprenderam mais substantivos quando com 1 ano e nove meses.


As câmeras corporais permitem que os cientistas vejam o ambiente do ponto de vista de uma criança. Isso dá a eles pistas sobre por que é mais fácil para as crianças aprenderem os nomes dos objetos que elas tocam e seguram.


A qualquer momento, há muitos objetos diferentes na visão de uma criança. Quando um pai nomeia um objeto no ambiente, um filho deve descobrir de qual objeto o pai está falando.


Mas quando as crianças estão segurando ou tocando um objeto específico, esse objeto está muito mais perto delas e preenche mais sua visão, tornando mais fácil para elas conectarem a palavra que os pais usaram com o objeto que veem.


Interações infantis


A experiência física também está relacionada a como as crianças usam e processam a linguagem. Palavras como colher que se referem a objetos que são fáceis para uma criança interagir são nomeadas mais rapidamente por crianças a partir dos 6 anos de idade.


Isso provavelmente ocorre porque a experiência física da criança torna mais fácil conectar o significado de uma palavra com as letras escritas ou sons falados da própria palavra, um processo que acontece toda vez que lemos ou ouvimos uma palavra.


Um estudo mais recente também descobriu que palavras que se referem a objetos que são fáceis de interagir eram mais fáceis de ler e reconhecer para crianças na segunda e quarta séries.


Curiosamente, os pesquisadores também descobriram que as crianças que tinham mais tempo de tela a cada dia eram menos propensas a mostrar esse benefício: elas não eram tão rápidas ou precisas ao reconhecer palavras que se referem a objetos fáceis de interagir.


Isso ocorre porque o aumento do tempo de tela pode reduzir a quantidade e a qualidade das experiências físicas que as crianças têm com objetos em seu ambiente.


Brinque e conte assuntos


A aprendizagem de palavras é mais fácil quando uma criança pode interagir com um objeto enquanto ouve o nome desse objeto, em vez de ver o objeto apresentado por um dos pais ou em uma tela.


Isso não é possível para todos os objetos, e as crianças aprenderão as palavras para conceitos que não podem tocar, como céu , mesmo sem interação física. Mas esta pesquisa mostra que pode ser útil dar às crianças oportunidades de tocar e sentir as coisas para as quais estão aprendendo as palavras, desde que seja seguro fazê-lo.


Quando as crianças conseguem tocar, agarrar e interagir com as coisas em seu ambiente, elas desenvolvem suas habilidades motoras. Ao estudar como as crianças aprendem diferentes tipos de palavras, a pesquisa exemplifica as maneiras pelas quais as experiências físicas não são apenas importantes para o aprendizado motor de uma criança, mas também para o aprendizado de palavras, dizem os pesquisadores. (leia mais abaixo)


Isso significa que dar às crianças mais oportunidades de interagir fisicamente com seu ambiente real, em vez de virtual, é bom para seus corpos e cérebros.


Fonte: CNN Brasil


Warning: Use of undefined constant php - assumed 'php' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /mnt/volume_sfo3_02/www/campos24horas/www/noticia/index.php on line 1339