Campos ganha atendimento de saúde especializado para pessoa privadas de liberdade

A direção da Atenção Básica, responsável pela execução das ações, é do médico Rodrigo Carneiro




14/01/2022, 14h33, Foto: Divulgação.


A Prefeitura de Campos fez uma cerimônia simbólica, nesta sexta-feira (13), para marcar o início dos atendimentos dos detentos e detentas do município dentro da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional (Pnaisp). O prefeito Wladimir Garotinho aderiu programa em outubro do ano passado em uma articulação em conjunto do deputado estadual Bruno Dauaire, do secretário municipal de Saúde Paulo Hirano e da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). A direção da Atenção Básica, responsável pela execução das ações, é do médico Rodrigo Carneiro.(leia mais abaixo)


"Essa iniciativa, além de humana, também ajuda a proteger os internos, seus familiares e servidores da administração penitenciária. Além disso, a medida traz economia através da prevenção, com a menor necessidade de organizar todo o esquema de segurança para transferir o paciente aos hospitais públicos. Estão de parabéns", disse Dauaire.(leia mais abaixo)


A primeira solenidade aconteceu no Presídio Feminino Nilza da Silva Santos. Os primeiros atendimentos começaram no início de janeiro e, para execução dos trabalhos, foram formadas equipes com médicos, enfermeiros, dentistas, auxiliares de consultório odontológico, psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais e outros profissionais especializados.(leia mais abaixo)


Emocionada, a diretora do Presídio Feminino Nilza da Silva Santos, Letícia Arêas, destacou a importância do projeto para a segurança local.(leia mais abaixo)


"Bruno foi a primeira pessoa que disse que esse projeto iria funcionar. Depois disso, as coisas passaram a andar e fico muito feliz porque tínhamos senhoras de 62 anos que fizeram tomografia pela primeira vez. Elas iam para o Rio de Janeiro fazer hemograma. Isso era dispendioso para os cofres públicos e causava falta de segurança. Era preciso escalar muitos agentes da segurança para fazer esse translado de saúde na capital, deixando nossa unidade descoberta.(leia mais abaixo)


“Esse é mais um exemplo de otimização dos recursos públicos na nossa gestão, levando dignidade para os que estão privados de liberdade e reduzindo a necessidade de equipes daqui se deslocarem para o Rio por causa de simples exames. Bruno e a subsecretária de Governo Graziele Gonçalves me aporrinharam bastante e o resultado é esse projeto maravilhoso”, finalizou o prefeito Wladimir Garotinho.