Médicos de Campos querem resposta sobre atrasados e quadro da Saúde

Após ato, Sindicato dos Médicos solicita reunião com o prefeito Wladimir e o vice Frederico para avaliar o atual cenário da saúde pública




14/01/2021, 06h16, Fotomontagem: Campos 24 Horas.

Depois do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Campos (Siprosep), que deu um prazo até esta sexta-feira, dia 15, e de um ato de um grupo de profissionais da Saúde Pública, na última segunda-feira, na frente do Hospital Ferreira Machado (HFM), agora é a vez do Sindicato dos Médicos de Campos (Simec), que solicitou uma reunião com o prefeito Wladimir Garotinho (PSD), o vice-prefeito Frederico Paes (MDB), além dos representantes da Secretaria Municipal de Saúde e da Fundação Municipal de Saúde (FMS). O problema dos atrasos foi deixado pelo ex-governo Rafael Diniz. (leia mais abaixo)  


De acordo com a entidade que representa os médicos, “a finalidade do encontro é avaliar o atual cenário da Saúde Pública do município e dos processos relativos ao pagamento dos salários dos servidores que, até o final da manhã de hoje (13), permaneciam sem o recebimento da remuneração referente ao mês de dezembro e dos 75% relativos ao 13º salário de 2020”.  (leia mais abaixo)


“Sempre pautado pela imparcialidade e transparência, o Simec dispõe-se se a dialogar de modo colaborativo e construtivo com os entes da esfera pública municipal, tendo como finalidade o fortalecimento da cooperação por meio de contribuições efetivas ao debate democrático das políticas públicas de saúde do município”, continua o sindicato.  (leia mais abaixo)


 Na terça-feira, logo depois da decisão tomada pelo Siprosep, Wladimir deu entrevista a uma emissora de rádio quando disse que não tem uma marinha mágica para solucionar em alguns dias o problema dos atrasos deixados pelo ex-prefeito Rafael Diniz.  (leia mais abaixo)


“Eu fui eleito para ser prefeito, não mágico. Encontrei R$ 2,9 milhões em caixa, não tenho como pagar esses valores em apenas 15 dias. Não entendo a atitude dos servidores que já foram até a Justiça e tiveram uma derrota hoje. Continuo aberto ao diálogo, mas no momento não há muito o que fazer. Nós temos que trabalhar, mas é importante entender que esse início de governo será um pouco turbulento. Mas sabemos que com a luta do povo campista e com a nossa união, retomaremos o crescimento da nossa cidade”, declarou o prefeito.