Doenças respiratórias são foco do Ministério da Saúde no RS




17/05/2024 17:05:34.

O secretário de Atenção Especializada do Ministério da Saúde, Adriano Massuda, disse nesta sexta-feira (17) que a principal demanda recebida por profissionais de saúde que estão no atendimento de vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul são as doenças respiratórias. Em coletiva de imprensa, Massuda citou ainda que houve aumento na incidência de doenças gastrointestinais e de infecções de pele, sobretudo em razão do grande número de pessoas em abrigos.


De acordo com o secretário, a pasta monitora casos de leptospirose provocados pelo contato com a água das enchentes. “Não há nenhum aumento extraordinário, que gere preocupação acima do que precisa ter. Estamos acompanhando”, disse.


O ministério também está atento ao cenário de dengue no estado, mas, em razão das baixas temperaturas, a doença não preocupa tanto. “Temos notificação, mas também de maneira controlada. A gente tem o benefício do clima, que é um fator contra o desenvolvimento do mosquito”, disse. “Nosso foco, neste momento, são as doenças respiratórias”, reforçou.


Hospitais de campanha

Dois hospitais de campanha estão em funcionamento no estado, um em Canoas e um em Porto Alegre, e mais dois devem começar entrar em ação, em São Leopoldo, no próximo fim de semana, e em Novo Hamburgo na semana que vem. “Conseguimos mobilizar no país todo profissionais altamente experientes para fazer transporte aeromédico, serviços de atendimento de emergência e também profissionais de vigilância em saúde. A gente sabe todo o impacto que tragédias como essa têm no crescimento de doenças transmissíveis, que estão sendo acompanhadas, controladas.”


Os profissionais que atuam nos hospitais de campanha são da Força Nacional do SUS. “Lamentavelmente, o Brasil tem enfrentado cada vez mais situações de desastres. Desde 2011, o Ministério da Saúde criou a Força Nacional do SUS para apoiar estados e municípios que enfrentam essas situações”, destacou.




Ministro afirma que aeroporto de Porto Alegre fica fechado por ao menos 6 meses




16/05/2024 17:05:23.

O ministro extraordinário da Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, afirmou nesta quinta-feira (16) em entrevista ao Balanço Geral RS que o aeroporto de Porto Alegre (RS) deve ficar fechado ao menos por seis meses. O Aeroporto Salgado Filho está inoperante desde 3 de maio, por conta das fortes chuvas e enchentes que atingem o Rio Grande do Sul e já mataram 151 pessoas, segundo a atualização mais recente da Defesa Civil local. Segundo o ministro, 53 voos com destino ao RS já voltaram a funcionar, até o momento.


“Em menos de seis meses não acredito que volte a funcionar. A pista está embaixo d’água. Quando baixar, tem aquela parte que a gente conhece, operacional, mas vai ter de ser eito um grande estudo. Essa pista virou uma espécie de esponja. Possivelmente terá de ser feito um trabalho de sondagem para reforço dessa pista. Não sou técnico da área, mas pelo que estou acompanhando, sinceramente, acho que, dificilmente, em menos de seis meses esse aeroporto volte a funcionar”, admitiu Pimenta ao apresentador Samuel Vettori.


O ministro era responsável pela Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência) do presidente Luiz Inácio Lula da Silva desde o início do mandato. Nessa quarta-feira (15), porém, Lula criou a Secretaria Extraordinária para Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, com status de ministério, e colocou Pimenta à frente da nova pasta, a 39ª da gestão petista.


O ministro também informou que o governo federal vai usar bombas d’água do Ceará, Alagoas e São Paulo para esvaziar os diques das cidades gaúchas afetadas. Pimenta afirmou que as estruturas vão ser transportadas ao estado pela FAB (Força Aérea Brasileira). Segundo o ministro, as ferramentas do Ceará são usadas na transposição do Rio São Francisco e as de São Paulo são da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico de São Paulo). Pimenta informou que as bombas d’água já estão em direção ao Rio Grande do Sul, mas não detalhou quando os itens devem chegar ao estado.


 




Lula diz que reconstrução do RS vai custar ‘o dobro’ da manutenção




15/05/2024 17:05:36.

 


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta quarta-feira (15) a falta de investimentos para a manutenção das estruturas de contenção de água no Rio Grande do Sul, que enfrenta fortes chuvas e enchentes há pelo menos duas semanas. Na avaliação do presidente, o custo para reconstruir o estado vai ser “o dobro” do que seria gasto na manutenção dos equipamentos. A fala ocorreu no RS, durante novo anúncio do governo federal de socorro aos gaúchos.


 


“Eu não sei se o governador [Eduardo Leite (PSDB)] já tem o cálculo dos prejuízos que o estado já teve até agora com essas chuvas, mas tenho certeza que é o dobro do que custaria a gente ter resolvido esse problema definitivamente”, declarou Lula.


 


“Nosso trabalho é tentar sensibilizar as pessoas que o máximo que parece que a gente tá fazendo não é o máximo, é apenas o necessário, o óbvio. O que estamos fazendo é mostrar que é possível minimizar [os danos], logico que não vai poder resolver tudo na hora, é tanto dinheiro. A questão do dinheiro vem da nossa vida pessoal, quem tem que pagar o salário sempre acha que é muito, quem recebe acha que é pouco, é assim na vida. Quanto mais o [ministro da Fazenda, Fernando] Haddad achar que está colocando muito dinheiro, mais o [governador] Eduardo vai falar ‘não dá'. Os prefeitos vão falar para o governador também ‘não dá’ e o morador vai falar para o prefeito ‘não dá’. É um processo, faz parte da nossa cultura”, acrescentou Lula.


 


Novas medidas


O governo anunciou nesta quarta (15) uma série de novas medidas voltadas para as pessoas atingidas pelas chuvas no Rio Grande do Sul. Entre as ações, estão Pix de R$ 5,1 mil para famílias que perderam bens durante as enchentes, incorporação de mais beneficiários no Bolsa Família e liberação de parcelas adicionais de seguro-desemprego.


 


 




Número de mortes em decorrência das chuvas no RS chega a 148




14/05/2024 17:05:12.

O número de pessoas mortas desde o início das chuvas que devastaram boa parte do Rio Grande do Sul chegou a 148 nesta terça-feira (14) — um óbito a mais do que ontem —, segundo boletim da Defesa Civil atualizado ao meio-dia. Há também 124 desaparecidos e 806 feridos.


Mais de 615 mil pessoas estão fora de casa, das quais 76,8 mil permaneciam em abrigos nesta terça-feira.


As chuvas no Rio Grande do Sul começaram na última semana de abril e continuam a causar estragos. O governo afirma que 446 das 497 cidades gaúchas foram afetadas. Estima-se também que 2,1 milhão de residentes no estado tenham sido prejudicados de alguma forma pela tragédia climática.


Embora as precipitações tenham dado uma trégua hoje, os níveis dos rios Gravataí, dos Sinos, Caí, Jacuí, Taquari, Uruguai, bem como do lago Guaíba e da lagoa dos Patos continuam elevados e são objeto de preocupação.


O Guaíba atingiu a marca de 5,22 m às 11h, e há previsão de que possa chegar a 5,40 m, superando a marca histórica do último dia 6 de maio. Com este cenário, bairros de Porto Alegre continuam em alerta de alagamento, enquanto outros permanecem embaixo d’água há mais de duas semanas.


 




William Bonner ameaça voltar ao Rio por falta de segurança no RS




13/05/2024 17:05:06.

William Bonner estaria desconfortável no Rio Grande do Sul, após ter sido hostilizado no estado. O jornalista teria ligado para a direção da TV Globo para informar que planeja voltar ao Rio de Janeiro, pois não aceitaria mais colocar sua integridade em risco. 


Segundo o jornalista Alessandro Lo-Bianco, o clima da ligação teria sido bastante desconfortável. Além de inseguro, o comunicador teria reclamado da estrutura para apresentar o jornal. Bonner já fez algumas outras exigências, como seguranças particulares para todos os colegas de emissora que também estão sofrendo represália no Rio Grande do Sul durante a cobertura da tragédia climática. 


Contudo, vale lembrar que o pedido de reforço à segurança foi atendido pela TV Globo, que enviou seguranças para o estado gaúcho. Inclusive, a emissora mudou a estratégia de transmissão, para garantir a integridade das equipes. 


Uma das mudanças foi a do local onde está sendo transmitido o telejornal. Na última quinta-feira, a transmissão foi feita a bordo do navio enviado para ajudar nos resgates na região. Entretanto, na última sexta-feira, o programa foi apresentado direto das dependências da PUC, em Porto Alegre.


Apesar disso, a emissora negou que a ligação com reclamações como essas por parte do apresentador tenha acontecido. "O Sul vive um momento de calamidade e a cobertura da Globo no local segue a mais de uma semana, com total apoio da RBS, afiliada na região. Todos os nossos profissionais enviados ao Rio Grande do Sul trabalham incansavelmente em busca de levar a melhor e mais completa informação para todo o público brasileiro E seguiremos comprometidos com esse objetivo".




Enchente no Sul e seca no Norte evidenciam desafios dos eventos climáticos extremos




12/05/2024 11:11:27.

Chuvas intensas, enchentes, deslizamentos de terra, períodos de seca e ondas de calor tendem a se tornar cada vez mais comuns no mundo, destacando a urgência da preparação para lidar com as consequências das mudanças climáticas. Esse é o alerta de especialistas há, pelo menos, duas décadas. No Brasil, enquanto o Rio Grande do Sul enfrenta os estragos das fortes chuvas desde abril, o Amazonas se prepara para lidar com uma seca que pode acarretar prejuízos bilionários para a indústria e o comércio.


No caso do Rio Grande do Sul, o desastre causado pelas chuvas já é considerado o mais grave evento climático já registrado na história do estado, com um saldo de mais de 100 mortes e cerca de 330 mil desabrigados, com consequências devastadoras também para a economia.


Autoridades alertam que a reconstrução do estado pode demorar meses, talvez anos, e o governador Eduardo Leite (PSDB) chegou a mencionar a necessidade urgente de um plano de reconstrução semelhante ao “Plano Marshall”, em referência ao programa de assistência fornecido pelos Estados Unidos aos países europeus após a Segunda Guerra Mundial.


A ex-presidente do Ibama e coordenadora de Políticas Públicas do Observatório do Clima Suely Araújo destaca que ambientalistas e cientistas há muito alertam para a intensificação e frequência dos eventos climáticos extremos.


"Essa tragédia no Rio Grande do Sul mostra que nós agimos pouco no sentido de nos prepararmos para esse tipo de situação. A mudança climática é global, mas há previsões de que aquela região sofreria com o excesso de chuvas e inundações em modelagens climáticas de mais de uma década atrás. Assim, como há previsões de que a região Norte sofreria com a redução do volume hídrico. Tudo isso tem que ser tomado como lição.”


Os dados do Centro Nacional de Desastres Naturais, vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, mostram que o Brasil tem superado recordes de desastres climáticos ano após ano.


Em 2023, foram reportados 1.161 eventos, com 716 relacionados a desastres hidrológicos, como transbordamento de rios, e 445 de origem geológica, como deslizamentos de terra. Isso significa que todos os dias o país registra três desastres climáticos.


Piores secas na Amazônia

Na região norte do Brasil, a Amazônia enfrentou uma das piores secas já registradas em 2023. Em outubro, o nível do Rio Negro atingiu seu ponto mais baixo desde 1902, chegando a apenas 12,7 metros. O calor extremo também causou a morte de mais de 150 botos cor-de-rosa no lago Tefé, onde as temperaturas alcançaram 39,1ºC. Além disso, houve cerca de 22 mil focos de incêndio na floresta Amazônica só em outubro, marcando um recorde para o mês desde 2008.


A onda de calor e a queda acentuada nos níveis dos rios impactou a vida dos habitantes locais, dificultando o deslocamento das comunidades ribeirinhas e o transporte de água, alimentos e outros itens essenciais.


Diante desse cenário, neste ano, foram conduzidos diversos estudos para avaliar medidas necessárias nos rios que chegam a Manaus, capital do Amazonas, visando garantir a navegabilidade durante a estação seca no segundo semestre. Como resultado, o CIEAM (Centro da Indústria do Estado do Amazonas) elaborou um projeto que deverá ser implementado em cerca de 30 dias, caso a seca se confirme.


A pesquisa mapeou áreas críticas ao longo da rota fluvial, incluindo o Tabocal e a Foz do Madeira, na região sul, além de destacar a necessidade de intervenções na região Norte. Integrante da Comissão de Logística do CIEAM, Augusto Cesar Rocha destaca que o estudo confirmou que o nível do rio em 2024 está 2 metros abaixo do que o que foi registrado em 2023, quando o Amazonas enfrentou a pior seca da história.


“A Amazônia, há muito tempo, vem sendo negligenciada pelo poder público na questão da infraestrutura. O que estamos apresentando aqui é uma solução para evitar um novo prejuízo econômico para a indústria e o comércio. O desafio é evitar o cenário do ano passado, quando registramos mais de R$ 1,4 bilhão de custos excessivos por conta da seca severa.

(AUGUSTO CESAR ROCHA, INTEGRANTE DA COMISSÃO DE LOGÍSTICA DO CIEAM (CENTRO DA INDÚSTRIA DO ESTADO DO AMAZONAS))

Além disso, o grupo está considerando a implementação de um flutuante no Amazonas para contornar os efeitos da seca nos rios. O projeto envolve a construção de um píer flutuante temporário na enseada do Rio Madeira, com dimensões de 180 metros de comprimento por 24 metros de largura.


“A instalação do píer flutuante é uma medida proativa que se alinha perfeitamente com as necessidades da região, considerando mais uma possível seca severa dos rios, que são nossas estradas naturais”, reforça Augusto. “Estiagem não é algo novo, sempre tivemos dificuldades e não podemos permitir que o que aconteceu em 2023, quando os navios deixaram de passar, volte a acontecer”, completa.


Ações do Congresso Nacional

Nesta semana, o presidente da Frente Parlamentar Ambientalista, Nilto Tatto (PT-SP), propôs um conjunto de projetos de lei destinados a fortalecer a resposta do Estado brasileiro à crise climática. Esses projetos visam organizar o Estado para lidar com desastres climáticos, fornecendo respostas imediatas e preparando-se para eventos futuros.


“Quantas mortes mais nós vamos assistir antes que essa Casa [Câmara dos Deputados] tome consciência de que precisa levar a sério a agenda ambiental? Quantos eventos climáticos precisa? É preciso dizer que o que está acontecendo no Rio Grande do Sul tem CPF e tem CNPJ, e tem representação política dentro desta Casa.”



Os parlamentares enfatizam a necessidade de o Congresso Nacional agir para prevenir novas tragédias. Para isso, eles defendem a aprovação de projetos que promovam a adaptação climática tanto da sociedade quanto dos municípios.


O documento com as propostas de adaptação climática foi entregue aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Confira alguns dos projetos de adaptação ambiental propostos:


• Lei do Pantanal (PL 9950/2018)


• Água Potável como Direito e Garantia Fundamental (PEC 06/2021)


• Reconhecimento do Cerrado e Caatinga como Patrimônio Nacional (PEC 504/2010)


• Duplicação dos Prazos na Lei de Crimes Ambientais (PL 1457/2024)


• Dia de Combate ao Racismo Ambiental e Climático (PL 2658/2023)


• Manejo Integrado do Fogo (PL 1818/2023)


• Integração dos Cadastros Ambiental e Rural (PL 1865/2022)


• Exploração Sustentável do Bioma Pantanal


*Fonte: R7


 




Instituto busca crianças com câncer no RS para que tratamento não pare




11/05/2024 10:10:28.

Antes, aos finais de semana, a rotina da técnica de nutrição Luciana Lombardi, de 50 anos de idade, era de recreação com crianças em tratamento de câncer. Todos os dias, também, acolhia os pequenos em cuidados paliativos em dois hospitais de Porto Alegre. Hoje, após o desastre das enchentes no Rio Grande do Sul, o cotidiano virou de busca por pequenos pacientes que estão com dificuldades de irem para a quimioterapia.


Luciana Lombardi é uma das voluntárias do Instituto do Câncer Infantil, em Porto Alegre (RS), e tem usado o próprio carro para ir de casa em casa a fim de saber das famílias se elas precisam de ajuda, ajudar no transporte, para que o tratamento “não pare de jeito nenhum”.


 “As crianças e suas famílias já passam por momentos tão delicados… Não queremos que nada deixe elas mais preocupadas nem com medo. Ao contrário, o amor e a coragem sempre tomam conta dos nossos momentos”, emocionou-se a voluntária.


O Instituto do Câncer Infantil é uma entidade filantrópica, sem fins lucrativos, que atualmente atende mais de 500 crianças de 153 municípios do Rio Grande do Sul. A equipe do instituto conseguiu contato, até agora, com 278 famílias para levantar a necessidade de cada uma a fim de que nenhum serviço seja interrompido.


A entidade ainda não tem a quantidade de famílias que não conseguiram voltar para o tratamento em função de estarem isoladas ou atravessarem outros tipos de problemas. Três crianças continuaram na casa do instituto em função de não haver condições de voltar para suas cidades depois da tragédia das cheias no estado.


A sede da instituição oferece abrigo durante o dia com espaço para banho e alimentação dos pacientes e familiares. "O ICI está realizando o transporte dos pacientes que necessitam de deslocamento para ir aos hospitais para realização de quimioterapia e radioterapiar", explicou a gerente institucional Valéria Foletto.




Polícia Federal encerra ações de resgate no Rio Grande do Sul




10/05/2024 17:05:35.

A Polícia Federal vai encerrar nesta sexta-feira (10) as buscas ativas e resgate às pessoas afetadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul. De acordo com a corporação, as ações de resgate passarão a ocorrer pontualmente, conforme pedidos que chegarem. Em comunicado divulgado à imprensa, a PF justifica a decisão com a “redução do número de pessoas que solicitaram remoção de suas residências nos últimos dias”.


Na sexta-feira, ainda haverá esforço operacional da PF para convencer as pessoas que estão em situação de risco a deixarem suas residências. A partir de sábado, a Polícia Federal empregará a totalidade de suas equipes para ações de policiamento ostensivo.


Ainda segundo a corporação, na região de Porto Alegre, atuam 370 policiais federais do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Brasília, operadores do Comando de Operações Táticas, Grupo de Pronta Intervenção, Núcleo de Polícia Marítima e do Comando de Aviação Operacional.


O Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania criou um canal no ‘Disque 100′ exclusivo para os moradores atingidos pelas enchentes no Rio Grande do Sul. Desde terça-feira (7), moradores e autoridades locais podem informar sobre pessoas desaparecidas, incluindo crianças e adolescentes, além de solicitar resgate imediato para si mesmo ou terceiros. Segundo a pasta, o objetivo é “superar violações de direitos durante a catástrofe socioambiental que assola o estado”.


Na primeira opção, a gravação eletrônica disponibiliza espaço para recebimento de informações sobre crianças e adolescentes desaparecidas ou desacompanhadas de pais/responsáveis, em articulação com o Tribunal de Justiça do RS e Conselhos Tutelares. Na opção 2, a sociedade pode relatar sobre o desaparecimento de pessoas em geral.


Inmet alerta que chuva forte vai voltar a atingir o RS

O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) alertou que o Rio Grande do Sul voltará a ser atingido por chuvas fortes nesta sexta-feira (10). De acordo com o instituto, entre os dias 10, 11 e 12 de maio, a chuva com maior intensidade será entre o centro-norte e o leste gaúcho, incluindo o litoral norte do estado e o sul de Santa Catarina, com volumes que podem passar dos 100 milímetros. Ainda segundo a previsão, os ventos mudarão de direção e soprarão predominantemente do sul.


De acordo com as previsões, as fortes chuvas previstas no estado a partir da madrugada desta sexta devem se estender também para o Paraná e Santa Catarina. Há, ainda, a possibilidade de chuvas isoladas chegarem ao litoral sul de São Paulo. O alerta afirma ainda que o nível do Guaíba pode subir, ao longo dos próximos dias, pois a volta da chuva para as regiões metropolitana e norte do Rio Grande do Sul pode aumentar o volume de água que chega o rio.


Municípios afetados por chuvas no RS sobem para 428

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), anunciou na tarde dessa quinta-feira (9) que o número de municípios afetados pelas chuvas que atingiram o estado subiu para 428. Leite afirmou também que as autoridades visam a dignidade, a proteção e o cuidado com cada uma das 67.563 mil pessoas que estão vivendo em abrigos.


Além disso, são 165.112 desalojados, um total de 232.675 pessoas fora de suas casas. A longo prazo, a pretensão do governador é definir áreas em segurança para as construções padrão de casas para pessoas vítimas da catástrofe.


 




MP vai apurar se municípios falsearam estado de calamidade pública no RS




09/05/2024 17:05:40.

O Ministério Público do Rio Grande do Sul abriu procedimento para investigar denúncias de que alguns municípios estariam decretando estado de calamidade pública mesmo sem terem sido atingidos diretamente pelas chuvas e enchentes que assolam o estado. A informação foi divulgada pelo próprio procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Sul, Alexandre Saltz, em vídeo divulgado nas redes sociais.


“Chegou ao conhecimento do Ministério Público gaúcho a informação de que alguns municípios estão decretando estado de calamidade pública sem que tenham sido atingidos diretamente pelas chuvas e pelas enchentes”, afirma o procurador-geral, que é o chefe do Ministério Público do estado. “Diante disso, determinei que fosse instaurada uma investigação no âmbito do Ministério Público para que nós saibamos e passemos para a sociedade se verdadeiramente estes municípios vivem situação de calamidade”, completou.


Segundo ele, dos procuradores já iniciaram a coleta de documentos junto aos municípios. Saltz não informou quais são os municípios investigados pelo fornecimento de informação falsa.


Ao todo, 397 dos 417 municípios gaúchos tiveram situação de calamidade pública reconhecida pelo governo federal. A portaria é assinada pelo secretário nacional de Defesa Civil, Wolnei Wolff Barreiros, e foi publicada no Diário Oficial desta terça-feira, 8. Na terça-feira, 7, o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), promulgou o reconhecimento do estado de calamidade pública no Rio Grande do Sul.


A decretação de estado de calamidade pública permite que um município ou estado atingido receba recursos de forma mais rápida e com menos exigências burocráticas, que são comuns no manejo dos recursos públicos. E pode executar os recursos sem as amarras que limitam a atuação, como a Lei de Responsabilidade Fiscal.


A suspeita de falsa declaração de estado de calamidade pública ocorre no momento em que há uma mobilização nacional para o envio de recursos, além de água, mantimentos, equipamentos e mão de obra, para o Rio Grande do Sul.


O Congresso aprovou nesta quinta-feira projetos de lei para facilitam o envio de recursos ao estado atingido, por meio da flexibilização de emendas parlamentares e abertura de créditos suplementares para ações de saúde e assistência social.


Também nesta quinta-feira, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou um pacote de medidas de 51 bilhões de reais para alívio financeiro a trabalhadores, empresas e produtores rurais do Rio Grande do Sul. A expectativa do governo federal é de que a medida atinja 3,5 milhões de pessoas.


Boletim

As chuvas e enchentes que assolam o Rio Grande do Sul há mais de uma semana já fizeram ao menos 107 vítimas, segundo o boletim da Defesa Civil divulgado nesta quinta-feira — 136 seguem desaparecidos. Ainda segundo o boletim, 1,482 milhão de pessoas foram atingidas de alguma forma pelas enchentes em 428 municípios. Mais de 165 mil pessoas ainda estão desalojadas e 67.563 estão em abrigos.




Procuradoria defende que TSE mantenha mandato de Moro




08/05/2024 12:12:15.

A Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) defendeu que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mantenha o mandato do senador Sérgio Moro (União-PR). O parecer foi enviado nesta terça-feira, 7, ao gabinete do ministro Floriano de Azevedo Marques, relator de recursos do PT e do PL contra o julgamento do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná que absolveu o senador.


Com a PGE jogando a seu favor, após a absolvição, Sérgio Moro entra no julgamento menos pressionado. A defesa ainda terá a oportunidade de apresentar seus argumentos.


A Procuradoria-Geral Eleitoral contraria o posicionamento do Ministério Público do Paraná, que foi a favor da cassação. A palavra final cabe agora ao TSE.


O tribunal ainda não tem data para julgar o caso, o que depende essencialmente do relator, que precisa liberar a ação para julgamento quando estiver com relatório e voto prontos, e da presidência, a quem compete acomodar o processo na pauta.


Advogados envolvidos no caso têm esperança de ver um desfecho antes das eleições, apesar da proximidade do pleito. Se for pautado ainda neste mês, o processo pode ser o último de grande repercussão na gestão do ministro Alexandre de Moraes.


érgio Moro responde por abuso de poder econômico, arrecadação ilícita e uso indevido dos meios de comunicação nas eleições de 2022. O pano de fundo é sua frustrada pré-candidatura a presidente. O TSE precisa decidir se as despesas no período deixaram o ex-juiz em posição desigual em relação aos concorrentes ao Senado.


Um dos pontos-chave do julgamento é o parâmetro que será usado para calcular os gastos de campanha. A definição sobre quais despesas seriam ou não de pré-campanha, para avaliar se houve ou não desequilíbrio na eleição, é controversa. O critério dividiu os desembargadores do Paraná.


 

A natureza dos gastos também vai influenciar a votação. Os ministros precisam decidir se despesas que não estão diretamente relacionadas com a campanha para obter votos têm ou não caráter eleitoral. É o caso, por exemplo, de valores desembolsados com segurança pessoal e escolta.


Outro ponto em aberto é se as despesas fora do Paraná, na pré-campanha a presidente, devem entrar no montante. Há um debate sobre a influência de eventos externos no eleitorado estadual.


O Podemos foi o primeiro partido a filiar Sérgio Moro quando o ex-juiz entrou oficialmente na vida político-partidária. Ele migrou ao União Brasil, após ver derreterem suas chances de vitória na corrida presidencial, para lançar candidatura ao Senado. Entre os desembargadores do Paraná, prevaleceu a tese de que Moro só poderia ser condenado se ficasse provado que o movimento foi intencional, ou seja, que ele lançou pré-candidatura a presidente para ganhar maior visibilidade na campanha ao Senado. Os partidos, no entanto, defendem que o efeito da pré-campanha existe, independente de eventual premeditação.


O que diz a PGE? A Procuradoria-Geral Eleitoral afirma no parecer enviado ao TSE que há um vácuo legislativo na regulamentação dos gastos pelos candidatos e partidos no período da pré-campanha e que o caso tem contornos particulares que, na avaliação do órgão, tornam desaconselhável a cassação.


Para o vice-procurador-geral Eleitoral Alexandre Espinosa Bravo Barbosa, o TSE deve preferir uma "postura de menor interferência na escolha soberana das urnas".


 

 A PGE também descarta que Sérgio Moro tenha, deliberadamente, simulado uma pré-candidatura presidencial para se beneficiar de um aumento artificial do limite de gastos eleitorais. Na avaliação do vice-procurador, a mudança de rumos se deu mais por "atabalhoamento" do que por estratégia.


"Desse modo, não é dado cogitar de uma intenção preordenada de downgrade na candidatura, sobretudo porque a incapacidade de articulação política ou o insucesso no lançamento da candidatura não pode ser dimensionado como dolo eventual", diz um trecho da manifestação.


A Procuradoria defende que gastos fora do Paraná não devem ser considerados no julgamento, salvo de ficar provado que houve finalidade específica de convencer eleitores do Estado. O raciocínio deixa de fora a maior parte das despesas da pré-campanha.


"A interpretação indica que apenas devem ser considerados os gastos que envolveram a circunscrição do Paraná e foram individualizados ao pré-candidato ou, ainda, que tiveram finalidade de preparação do candidato para uma atividade de convencimento do eleitorado da circunscrição na qual o registro foi efetivado."


 A PGE conclui dizendo que não há indicativos seguros de que houve excesso de gastos ou desvio e omissão de recursos.




Vídeo: Missionária previu tragédia no Rio Grande do Sul




07/05/2024 08:08:58.

Um vídeo de uma missionária fazendo suposta profecia sobre a tragédia do Rio Grande do Sul está viralizando no TikTok. Durante um culto, que aconteceu entre 2022 e 2023, Cristina Maranhão previu a tragédia, dizendo que Deus iria "surpreender" o estado. Veja o vídeo abaixo.





Concurso Unificado: governo avalia aplicar prova em agosto




06/05/2024 11:11:43.

O governo aguarda a normalização da situação do Rio Grande do Sul para definir uma nova data para o Concurso Nacional Unificado (CNU). As provas, que aconteceriam no domingo (5/5), foram suspensas após o estado decretar calamidade pública devido aos temporais intensos que afetaram mais de 300 municípios.(Leia mais abaixo)


De acordo com o Ministério da Gestão e Inovação (MGI), será preciso aguardar o restabelecimento do transporte entre as cidades e checar condições dos locais de provas, antes de remarcar o exame. O comitê de organização deve se reunir nesta semana para começar a tratar das questões operacionais envolvendo a nova data das provas. A expectativa é de que o exame seja remarcado para agosto.(Leia mais abaixo)


Dos 2 milhões de inscritos no concurso, cerca de 80 mil candidatos são da região. As provas já haviam chegado a Porto Alegre, capital do estado, mas não foram distribuídas por causa dos estragos das enchentes. Segundo o MGI, 65% das provas já estavam nos locais de aplicação.(Leia mais abaixo)


O governo concentra esforços agora para aproveitar as provas que já estavam prontas, para isso, os cadernos devem ser centralizados em local seguro, avaliado pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A alocação dos exames ainda não foi anunciada pela pasta.(Leia mais abaixo)


"A gente imagina que, em algumas semanas, ou até menos, consiga divulgar a nova data para todos os candidatos, assim que a gente conseguir resolver todas as questões logísticas envolvidas na realização dessa prova, como vocês já imaginam, já acompanham, é uma questão logística muito complexa, e que envolve praticamente o Brasil inteiro", disse a ministra da Gestão, Esther Dweck, em coletiva de imprensa na última sexta-feira.(Leia mais abaixo)


Além de aguardar a normalização da situação no Rio Grande do Sul, também será preciso renegociar locais e salas onde as provas serão aplicadas em todos os 228 municípios onde haverá locais de aplicação.(Leia mais abaixo)


Desavisados

Sem saber do adiamento, alguns candidatos chegaram a comparecer nos locais de provas na manhã de ontem. Internautas compartilharam a surpresa no X, antigo Twitter. Entre os comentários, muitos criticavam a falta de comunicação do MGI.(Leia mais abaixo)


O governo vai publicar uma retificação no edital, com a nova data das provas e esclarecimentos como, por exemplo, como fica a situação do candidato que quiser pedir o dinheiro de volta. De acordo com o Executivo, o adiamento acarretará em um prejuízo de R$ 50 milhões.


Fonte: Correio Braziliense




Bolsonaro tem alta em hospital após atendimento por erisipela




05/05/2024 07:07:26.

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teve alta na manhã deste sábado (4), após passar algumas horas em atendimento hospitalar, em Manaus, devido a um quadro de erisipela na perna. Ele seguiu para o encontro do PL Mulher na capital do Amazonas, com a participação de Michelle Bolsonaro, sua esposa e presidente do PL Mulher.


Na sexta-feira (3), ele já teria passado por atendimento médico em Brasília, devido a uma desidratação. Já em Manaus, ele participou de evento para lançamento da pré-candidatura de Alberto Neto para a prefeitura da capital do estado pelo PL.


Em fala à imprensa após a saída do hospital, Bolsonaro disse que não tinha dormido na noite anterior e que sua esposa e os médicos não queriam que ele viajasse.


Ele deu início ao tratamento da infecção com antibióticos e ainda na madrugada de domingo deve retornar a Brasília.


No final de 2022, após as eleições, o então presidente também teve a infecção na perna. À época, seu filho Carlos Bolsonaro (PL-RJ) usou um canal no aplicativo de mensagens Telegram para divulgar uma foto da perna do pai, que teria sido tirada poucos dias antes.




Defesa afirma que Cid se arrepende de desabafo que o levou novamente à prisão




03/05/2024 18:06:32.

O advogado do ex-ajudante de ordens Mauro Cid, Cezar Bittencourt, afirmou nesta sexta-feira (3) que ele está arrependido do desabafo em que critica a Polícia Federal e o ministro Alexandre de Moraes. O tenente-coronel foi preso depois de prestar depoimento no STF (Supremo Tribunal Federal) sobre os áudios vazados. “Qualquer um de nós, de repente se sente em um momento de estresse e perde a noção das coisas. Cid é um homem inteligente, um oficial preparado, mas também é um ser humano”, justifica a defesa.


Bittencourt também afirma que Cid não se lembra com quem estava conversando no momento do desabafo. “Ele tem muitos amigos”, completa. A defesa diz que orientou o ex-ajudante de ordens a tomar cuidado com o uso do celular e que Cid admite que “pisou na bola”.


No áudio em questão, Cid diz que o ministro “é a lei” e que ele age da forma como bem entender. “O Alexandre de Moraes é a lei. Ele prende, ele solta, quando ele quiser, como ele quiser. Com Ministério Público, sem Ministério Público, com acusação, sem acusação. Se eu não colaborar, vou pegar 30, 40 anos [de prisão]. Porque eu estou em [inquérito sobre] vacina, eu estou em joia”, comentou.


Moraes autoriza liberdade

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes autorizou nesta sexta-feira (3) a soltura do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro. O militar estava preso desde 22 de março, quando foi detido após prestar depoimento ao STF sobre um áudio no qual fez ataques à Polícia Federal e a Moraes. O ministro manteve, ainda, o acordo de delação premiada feito pelo militar.


“Em virtude das declarações do colaborador Mauro César Barbosa Cid em audiência no Supremo Tribunal Federal, bem como de seus novos depoimentos perante a Polícia Federal e do resultado apresentado na busca e apreensão, apesar da gravidade das condutas, nessa exato momento, não estão mais presentes os requisitos ensejadores da manutenção da prisão preventiva, afastando a necessidade da atual restrição da liberdade de ir e vir”, disse o ministro.


 


 




Candidato poderá apresentar documento digital no concurso unificado




02/05/2024 18:06:06.

Os candidatos do Concurso Público Nacional Unificado poderão usar documentos digitais com foto como identificação pessoal na sala de aplicação das provas, no próximo domingo (5). Os documentos digitais aceitos são e-Título, CNH Digital e o RG digital, que são, respectivamente, as versões digitais do título de eleitor, da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e da Carteira de Identidade Nacional (CIN). Se o documento for impresso, deve ter foto e assinatura.


A apresentação dos documentos no formato digital deve ser feita na entrada da sala de prova, por meio de aplicativo oficial ou pela Carteira de Documentos Digitais do portal do governo federal Gov.br.


Inválidos

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), realizador do processo seletivo, informa que cópias em papel de documentos com foto não serão aceitas em nenhuma circunstância, nem mesmo as cópias autenticadas por um cartório de notas.

Igualmente, serão vetadas as capturas de tela no celular do documento digital e fotografias do documento, mesmo que estejam na galeria do telefone.


O candidato precisará abrir o aplicativo na frente do fiscal de prova. Para evitar imprevistos e atrasos, o ministério orienta que o aplicativo seja previamente baixado e testado no smartphone do candidato. O celular deve estar com bateria carregada no momento da apresentação do documento digital.


Domingo

No dia da prova, o inscrito deverá portar uma caneta preta de material transparente para preenchimento do gabarito do cartão-resposta. Apesar de não ser obrigatório, o Ministério da Gestão recomenda que o candidato leve o cartão de confirmação de inscrição, que pode ser impresso na página virtual do participante, para ter informações claras sobre local e horários, evitando dúvidas e confusões.


Os candidatos não poderão sair com o caderno de provas por questão de segurança. No entanto, o governo federal divulgará os cadernos de provas às 20h do próprio domingo. A divulgação preliminar dos gabaritos das provas objetivas está planejada para terça-feira (7).


Concurso

As provas objetivas específicas e discursivas do chamado Enem dos Concursos serão aplicadas em dois turnos, em 228 municípios, localizados em todas as 27 unidades da federação. O MGI contabiliza 3.665 locais de aplicação e 75.730 salas. Ao todo, 2,144 milhões de candidatos inscritos no Concurso Público Nacional Unificado disputarão 6.640 vagas em cargos públicos oferecidas por 21 órgãos públicos federais. A força de trabalho estimada para atuação no Concurso Nacional é de cerca de 215 mil trabalhadores.


As provas serão divididas em oito blocos temáticos, sete deles para vagas de nível superior. Somente o 8º bloco é para o nível médio. Para tirar dúvidas, os candidatos podem entrar em contato com a Fundação Cesgranrio, responsável pela aplicação das provas, pelo telefone: 0800-701-2028. Todas as informações estão disponíveis no site oficial do certame.


Documentos de identificação permitidos: 

- Carteira Nacional de Habilitação com foto;


- Documentos digitais, com foto (CNH digital, RG digital E e-Título) apresentados nos aplicativos oficiais;


- Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS);


- Carteiras expedidas pelos comandos militares, pelas secretarias de Segurança Pública, pelos institutos de Identificação e pelos corpos de Bombeiros;


- Passaporte brasileiro;


- Carteiras expedidas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional (Ordens, conselhos);


- Cartão de identidade do trabalhador;


- Certificado de reservista ou dispensa de incorporação (com foto);


- Carteiras funcionais do Ministério Público;


- Carteiras funcionais expedidas por órgão público, que, por lei federal, valham como identidade.




Documentos de identificação pessoal não permitidos:

- Cópia do documento de identidade, ainda que autenticada, ou protocolo do documento de identidade;


- Certidões de nascimento;


- CPF;


- Título de eleitor (impresso ou sem foto);


- Carteiras de motorista (modelo sem foto);


- Carteiras de estudante;


- Carteiras funcionais sem valor de identidade;


- Rani (Registro Administrativo de Nascimento Indígena);


- Documentos ilegíveis, não identificáveis e/ou danificados.




Lula chega a 1º de Maio pressionado por mais resultados e sem anúncios




01/05/2024 11:11:02.

O presidente Lula (PT) chega ao segundo Dia do Trabalho deste seu terceiro mandato pressionado pela alta na reprovação do governo, em busca de mostrar mais resultados, mas sem novos anúncios para os trabalhadores.(Leia mais abaixo)


O chefe do Executivo, no entanto, consegue manter apoio das centrais sindicais, que são pilares históricos de apoio. Um dos trunfos do governo será o número positivo de vagas de empregos formais.(Leia mais abaixo)


Na véspera do feriado, o Ministério do Trabalho divulgou dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que mostra a criação de 244.315 vagas formais em março, número superior ao do mesmo mês do ano passado.(Leia mais abaixo)


Os resultados de emprego devem ser um dos pontos abordados no discurso do presidente nesta quarta-feira (1º), ao participar do tradicional ato unificado das centrais sindicais em São Paulo. O evento será realizado na Neo Química Arena, estádio do Corinthians, na zona leste.(Leia mais abaixo)


A criação de empregos tem sido, desde o início do governo, uma das principais defesas de Lula em suas falas públicas.(Leia mais abaixo)


Além disso, o chefe do Executivo deve mencionar ainda a lei da igualdade salarial, que busca equiparar salários de homens e mulheres que ocupem a mesma posição, além do crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passado.(Leia mais abaixo)


Dessa forma, Lula chega para o evento com números positivos, mas sem anúncios para os trabalhadores, o que frustra o governo. Segundo integrantes da gestão, havia intenção de apresentar algo, mas as propostas não foram fechadas a tempo.(Leia mais abaixo)


O 1º de Maio do ano passado foi diferente. Lula divulgou na ocasião a nova política de valorização do salário mínimo e também o aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda.(Leia mais abaixo)


O discurso do presidente também teve alta conotação política, com o evento sendo realizado poucos meses depois dos ataques golpistas de 8 de janeiro, quando apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) invadiram e depredaram as sedes dos três Poderes, em Brasília.(Leia mais abaixo)


As últimas semanas têm sido marcadas por pressões do presidente a seus ministros por um ritmo mais acelerado de entregas. Pesquisas de aprovação de governo mostram queda nos índices.(Leia mais abaixo)


Levantamento do Datafolha, divulgado em 21 de março, mostrou que a aprovação da gestão Lula empatou tecnicamente com a sua rejeição: 35% a 33%. No levantamento de dezembro, o placar estava em 38% a 30% —a margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.(Leia mais abaixo)


Lula disse, em café da manhã com jornalistas na semana passada, não ter esquecido da busca pela queda no preço "da cervejinha e picanha", uma de suas promessas de campanha em 2022. Disse ainda que ou diminui o preço da comida ou aumenta o salário das pessoas.(Leia mais abaixo)


A inflação no preço dos alimentos é um dos temas citados por lideranças sindicais quando questionados sobre pontos de preocupação. Os dirigentes demonstraram ainda estar alinhados com Lula, mesmo que apontem pautas sem avanços ou se queixarem por não serem recebidos.(Leia mais abaixo)


Este último ponto foi levantado por Miguel Torres, da Força Sindical. "Ele [Lula] tem recebido empresários, banqueiros, para almoços e jantares, mas trabalhadores, não", disse.(Leia mais abaixo)


A respeito da ausência de novidades para 1º de maio, Torres atribui à intenção do governo de apertar as contas para atingir déficit zero e, sobretudo, ao que ele chama de "Congresso antissocial".(Leia mais abaixo)


Para ele, há dificuldade nas negociações de pautas de viés mais social com parlamentares.(Leia mais abaixo)


Já Ricardo Patah, presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores), disse ainda esperar novidades para o 1º de Maio, mas insiste que a relação com o governo tem sido positiva. Mesmo sem encontros com Lula, Patah afirma que as centrais têm sido tido boa acolhida no Ministério do Trabalho e na Secretaria-Geral da Presidência.(Leia mais abaixo)


"Ocorreu valorização do salário mínimo, a questão dos aplicativos de carro foi caminho importante, igualdade salarial. Tem muita coisa para fazer ainda? Tem, mas não dá pra deixar de reconhecer isso", afirmou.(Leia mais abaixo)


O presidente da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), Adilson Araújo, afirma que a confiança nas ações do governo petista, após os anos de governo Michel Temer (MDB) e Bolsonaro, não significa falta de independência das centrais e que ele se sente à vontade para criticar, em particular a equipe econômica.(Leia mais abaixo)


Araújo aponta que o governo, assim como o Congresso Nacional, deveria cuidar da "aplicabilidade" das medidas anunciadas e já aprovadas. Cita como exemplo a fiscalização da igualdade salarial e o piso da enfermagem, aprovado no Congresso mas com efeitos para a iniciativa privada praticamente anulados após uma decisão do Supremo Tribunal Federal.(Leia mais abaixo)


O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, está com um rol de promessas não cumpridas, com destaque para mudanças nas regras do saque-aniversário do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). O tema empacou por decisão do Palácio do Planalto. Ele também já prometeu alterar pontos da reforma trabalhista de 2017, mas também não foi adiante.(Leia mais abaixo)


Por outro lado, neste ano, foi apresentado o projeto de lei para regulamentar o trabalho por aplicativos de transporte de pessoas, que Marinho já classificou como "semiescravo".(Leia mais abaixo)


O tema era promessa de campanha de Lula. O texto chegou na Câmara em março, após intenso debates, mas não foi bem recebido no Congresso, além de ser alvo de protestos de motoristas —o projeto está parado na Câmara.


Fonte: Uol




Pela primeira vez, Brasil passa de 4 milhões de casos prováveis de dengue




29/04/2024 18:06:59.

Em menos de quatro meses, Brasil acumula 4.127.571 casos prováveis de dengue. Esse número é maior que os registros dos últimos três anos: foram 531 mil casos em 2021; 1,420 milhão em 2022 e 1,649 milhão em 2023, que somados chegam a 3,601 milhões. Além disso, 1.937 mortes foram confirmadas e outras 2.345 estão sendo investigadas.


O Brasil já bateu os recordes de números de casos prováveis e de mortes registrados pela doença na série histórica. O número mais alto de mortes era de 2023, com 1.179 registros. Já o ano com o maior número de casos era 2015, com 1.688.688.


São Paulo é a unidade da federação com mais óbitos registrados em 2024, com 468, seguido por Minas Gerais (318), Distrito Federal (290), Paraná (221) e Goiás (137). Somadas, as cinco UFs acumulam 73% do total de óbitos.


As regiões Sul e Sudeste acumulam o maior número de casos e de mortes. Nordeste e Norte têm os menores registros (confira no infográfico abaixo).


O Distrito Federal é a unidade da federação com maior taxa de incidência de casos prováveis, com 8.507,9 casos por 100 mil habitantes. Minas Gerais, Paraná, Espírito Santo e Goiás aparecem em seguida, somando 54% do número absoluto de casos.


A faixa etária que mais registra casos de dengue é de 20 a 29 anos, com mais de 761 mil casos, o que representa quase um em cada cinco casos. Na separação por gênero, as mulheres são a maioria a contrair a doença (55,1%)




Candidato só poderá levar caneta preta e documento para prova do Enem dos Concursos




28/04/2024 09:09:42.

A uma semana do primeiro Concurso Público Nacional Unificado, chamado de Enem dos Concursos, Alexandre Retamal, coordenador-geral de logística do certame, do Ministério da Gestão e da Inovação, alerta que o candidato só vai poder levar para a prova caneta preta transparente, cartão de confirmação e a carteira de identidade.


Com 2,1 milhões de candidatos inscritos, a prova será realizada no próximo domingo, dia 5 de maio, em 3.665 locais de aplicação, de 228 cidades brasileiras, de todos os estados do país. São oferecidas 6.640 vagas para 21 órgãos da administração pública federal.


A força de trabalho estimada para atuação no concurso é de 215 mil trabalhadores.


Para evitar fraudes, os candidatos não poderão levar os cadernos quando terminarem a prova ou fazer qualquer anotação no cartão de confirmação da inscrição.


Todos terão que passar por detector de metais, e também haverá coleta de digitais e exame grafológico (coleta de assinatura) nas salas de prova. Além disso, quem for flagrado com celular ligado durante o exame será eliminado. Veja a seguir a entrevista:


O que os candidatos devem prestar a atenção para o dia da prova em relação às medidas de segurança?

Alexandre Retamal — Primeiro ponto de atenção: as canetas utilizadas para fazer a prova devem ser pretas transparentes. Os candidatos não podem levar qualquer outro tipo de caneta. Além disso, eles devem portar o cartão de confirmação e o documento de identidade. Alimentação é permitida, desde que esteja em embalagem lacrada. O ideal é levar só o necessário para fazer uma boa prova.


Os candidatos não poderão entrar com nenhum tipo de anotação nem portar equipamentos eletrônicos durante a prova.


Se levarem celular ou relógio digital, terão que entregar e o fiscal de sala vai lacrar. Calculadora ou qualquer equipamento eletrônico também. Por isso, evitem levar essas coisas, porque não vão usar.


Haverá a coleta da digital no momento da prova? Como isso vai funcionar? Quais outras medidas de segurança foram adotadas?

Alexandre Retamal — Quando o candidato receber o cartão de respostas, ele vai assinar seu próprio nome e também escrever uma frase de segurança. Na verdade, essa frase é um exame grafológico que servirá para conferir se a pessoa que fez a prova é a mesma pessoa que se inscreveu.


Quando começar a prova, o fiscal passará com uma esponja, onde a pessoa vai molhar o dedo e marcar a sua digital no próprio cartão de respostas. Então, o cartão de respostas vai ter a assinatura, a digital e o exame grafológico de todos os participantes. Isso garante, além de segurança, que não haja qualquer tipo de fraude envolvendo o cartão de respostas, porque você vai ter certeza que pertence ao respectivo participante.


Além disso, nós vamos ter detectores de metal nos locais de aplicação, detectores de ponto eletrônico, que serão utilizados conforme as orientações dos órgãos de segurança, principalmente da Polícia Federal, para verificar qualquer tipo de fraude.


Como será a aplicação da prova em dois turnos?

Alexandre Retamal — Sempre no horário de Brasília, pela manhã, os portões serão abertos às 7h30. Nesse turno, os inscritos para os blocos de nível superior (1 a 7) responderão 20 questões objetivas, de múltipla escolha, sobre conhecimentos gerais e uma questão dissertativa de conhecimento específico. Para o bloco de nível médio (bloco 8), os candidatos farão 20 questões objetivas, de múltipla escolha, e uma redação.


No período vespertino, os portões abrirão às 13h. À tarde, os candidatos dos blocos de nível superior (1 a 7) responderão a 50 questões objetivas, de múltipla escolha, de conhecimentos específicos. Enquanto os inscritos no bloco de nível médio farão mais 40 questões objetivas, de múltipla escolha.


As provas para o nível médio não incluem questões dissertativas, apenas a redação no período matutino.


Caso o candidato discorde de alguma questão ou resposta do gabarito, como ele poderá entrar com recurso?


Alexandre Retamal — Para evitar fraudes, candidatos não poderão sair com os cadernos de provas nem realizar anotações do gabarito no cartão de confirmação. Todos os cadernos de provas serão divulgados no site do Ministério da Gestão e Inovação, a partir das 20h, no dia 5 de maio.


Os gabaritos serão divulgados no dia 7 de maio. Caso discordem de alguma questão ou resposta do gabarito, os candidatos poderão entrar com recurso, tendo como base o caderno de provas e o gabarito oficial.


O ministério reforça que o recurso deve ser direcionado às questões do caderno de provas, e não às respostas individuais do candidato no cartão de resposta. Dessa forma, o direito de recorrer está plenamente preservado.


Qual é a infraestrutura que está por trás da realização do primeiro CPNU?


Alexandre Retamal — O contingente de pessoas envolvidas, desde o planejamento até toda a parte da elaboração de provas, distribuição de provas, aplicação, depois a logística reversa e correção, chega a 215 mil pessoas.


Para assegurar a logística e segurança do CPNU, foi estabelecida uma rede de aplicação conectando órgãos das administrações públicas federais e estaduais. Houve a integração com a Secretaria Nacional de Segurança Pública, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Agência Brasileira de Inteligência, Força Nacional e Secretarias de Segurança Pública Estaduais.


Essas medidas visam garantir o bom funcionamento e a lisura do processo seletivo em todas as suas etapas. Além disso, o Ministério da Gestão e Inovação está monitorando diariamente todas as etapas do concurso, desde o planejamento até a divulgação dos resultados, em colaboração com a Fundação Cesgranrio.


Esta supervisão é reforçada pela vasta experiência do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, acumulada ao longo de 25 anos de aplicação do Enem, maior inspiração do CPNU.


Depois da prova, veja as próximas etapas:


07/05/2024 – Divulgação preliminar dos gabaritos das provas objetivas


10/05/2024 – Divulgação da relação candidato/vaga no site do CPNU


03/06/2024 - Disponibilização da imagem do Cartão-Resposta


21/06/2024 – Divulgação das notas finais das provas objetivas e da nota preliminar da discursiva


30/07/2024 – Divulgação final dos resultados


05/08/2024 – Início da convocação para posse e cursos de formação


Consulta aos locais de prova


Os candidatos podem conferir o seu local de prova. O cartão de confirmação de inscrição do Concurso Público Nacional Unificado está disponível na Área do Candidato, mesma página da Internet em que foi feita a inscrição. Para acessar, é preciso fazer login com os dados da conta GOV.BR.


O cartão de confirmação traz, entre outras informações, número de inscrição, data, hora e local de prova, além de registrar que a pessoa inscrita terá direito a atendimento especializado ou tratamento pelo nome social, se for o caso.


*R7 




Em 26 dias, abril registra 897 mortes causadas por dengue




27/04/2024 09:09:50.

O Brasil registrou 897 mortes causadas por dengue de 1º a 26 de abril, o que equivale a 76% do total contabilizado ao longo de todo o ano de 2023, com 1.179 casos. Desde o começo de 2024, 1.888 óbitos foram confirmados, sendo 601 em março, 227 em fevereiro e 163 em janeiro, e outros 2.218 estão sendo investigados.



O Brasil já bateu os recordes de números de casos prováveis e de mortes registrados pela doença na série histórica. O número mais alto de mortes era de 2023, com 1.179 registros. Já o ano com o maior número de casos era 2015, com 1.688.688.


São Paulo é a unidade da federação com mais óbitos registrados em 2024, com 448, seguido por Minas Gerais (299), Distrito Federal (288), Paraná (215) e Goiás (137). Somadas, as cinco UFs acumulam 73% do total de óbitos.


As regiões Sul e Sudeste acumulam o maior número de casos e de mortes. Nordeste e Norte têm os menores registros.



O Distrito Federal é a unidade da federação com maior taxa de incidência de casos prováveis, com 8.320,7 casos por 100 mil habitantes. Minas Gerais, Paraná, Espírito Santo e Goiás aparecem em seguida, somando 54% do número absoluto de casos.


A faixa etária que mais registra casos de dengue é de 20 a 29 anos, com mais de 725 mil casos, o que representa quase um em cada cinco casos. Na separação por gênero, as mulheres são a maioria a contrair a doença (55,1%)




TRE do Paraná manda Moro se manifestar sobre recursos que pedem cassação




26/04/2024 17:05:22.

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, Sigurd Roberto Bengtsson, mandou o senador Sergio Moro (União Brasil-PR) se manifestar em três dias sobre os recursos apresentados pelo PT e pelo PL contra decisão que rejeitou a cassação do mandato do parlamentar. Depois do prazo, o caso será enviado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que deve marcar o dia do julgamento. Os processos são analisados em conjunto e apontam abuso de poder econômico, uso de caixa 2 e utilização indevida de meios de comunicação durante a pré-campanha eleitoral de 2022. O TRE-PE absolveu Moro no último dia 9.


No recurso, a federação aponta equívocos cometidos na análise das provas dos autos do desembargador Luciano Falavinha, sendo manifesto o abuso de dinheiro por Moro para alavancar sua candidatura no período pré-eleitoral. O colegiado declara respeito à decisão do TRE-PR, mas continua convicto de que a corrida eleitoral de Moro foi impulsionada com abuso de poder econômico.


Para o presidente do PT Paraná, deputado Arilson Chiorato, até mesmo discursos de magistrados desfavoráveis à cassação apontaram indícios de irregularidades na campanha.


“Além de dois votos a favor da cassação e do parecer do Ministério Público Eleitoral, alguns dos outros votos também indicaram a existência de um volume alto de recursos na pré-campanha (de Sérgio Moro), colaborando com a nossa tese. Peticionamos o processo para que a justiça seja feita, o gasto de campanha, somado ao gasto de pré campanha, extrapola o limite legal. Entendemos que Sérgio Moro abusou economicamente e precisa ser responsabilizado por isso”, argumenta Chiorato.


O advogado da federação, Luiz Eduardo Peccinin, destaca a fala em que Moro admite a finalidade de seus gastos. “A decisão do TRE/PR toma premissas equivocadas para desconsiderar quase integralmente o dinheiro gasto por Moro. Mais, divide a pré-campanha de Moro ignorando que o próprio senador confessou publicamente que empreendia um ‘projeto nacional’ que naufragou e, portanto, assumiu os riscos de gastar como um candidato a presidente e violar a paridade de armas eleitoral.”


O resultado do julgamento no TSE tem sido questionado, uma vez que o atual presidente, Alexandre de Moraes, deixará a corte em junho. Ele será substituído pela atual vice, a ministra Cármen Lúcia, que vai conduzir as eleições municipais de outubro. A vaga deixada por Moraes será ocupada pelo ministro do STF André Mendonça.


O julgamento no TSE abrirá precedente sobre a atuação da Justiça Eleitoral quando houver gastos de candidatos no período anterior à campanha eleitoral.