Buscar:

Envie textos e fotos: WhatsApp (22) 9 9709-9308

Bolsonaro chega aos EUA em meio a protestos em Washington

17/03/2019 23:11:10, Foto: Campos 24 Horas

O presidente Jair Bolsonaro chegou aos Estados Unidos às 15h40 (16h40 em Brasília), onde se encontrará na terça-feira com o presidente americano, Donald Trump.


Um grupo de 60 manifestantes realizou um protesto em frente à Casa Branca na tarde deste domingo, 17, contra a visita do brasileiro. Eles já haviam se desmobilizado no momento da chegada de Bolsonaro e o acesso à rua foi fechado pelo serviço secreto americano.


No Twitter, quando pousou em Washington, ele disse que a união entre Brasil e EUA "assusta defensores do atraso e da tirania". "Pela primeira vez em muito tempo, um presidente brasileiro que não é anti-americano chega a Washington. É o começo de uma parceria pela liberdade e prosperidade, como os brasileiros sempre desejaram", escreveu Bolsonaro.


Muitos dos participantes do evento expressaram temores de que o relacionamento dos dois chefes de Estado possa elevar as tensões na Venezuela, com efeitos negativos para a estabilidade política na América do Sul, e se declaravam como anti-fascistas. O evento foi organizado pelo grupo "DC Unido contra o ódio", em tradução livre do título "DC United against hate". A chamada para a movimentação trazia os dizeres: "sem Bolsonaro em DC! Solidariedade com o anti-fascismo internacional".


"Bolsonaro e Trump legitimizam a extrema direita em nível global, pois assumem uma retórica perigosa contra brersos setores da sociedade", comentou Michael Shallal, um dos organizadores do protesto, funcionário de um museu em Washington. Segundo ele, um dos seus principais temores é que "os EUA poderão espalhar o imperialismo pela América do Sul, sobretudo com um golpe à Venezuela, com intervencionismo militar."


Para Barbara Silva, tradutora e professora de português e espanhol na capital americana, Bolsonaro defende "um discurso de ódio", embasado em muitos preconceitos contra mulheres, negros e apoiadores do movimento LGBT. Ela também aponta que a defesa do presidente brasileiro de Juan Guaidó como presidente legitimo da Venezuela também pode aumentar a tensão entre os governos de Brasília e de Caracas. "Temo que os EUA possam utilizar a aproximação com a nova administração Bolsonaro para vender mais armas, o que certamente não é algo favorável à paz."


Barbara segurava dois cartazes, um no qual dizia "todos contra o fascimo" e outro com as fotos de Trump e de Bolsonaro com a frase "Ele não" em português e inglês. Ela apontou também que do encontro entre os dois líderes podem surgir notícias positivas. "Há uma agenda que deve tratar de economia, como a exportação de carne do Brasil para os EUA, o que é favorável. Da reunião, não haverá somente pontos negativos", frisou.


Na avaliação do analista de políticas de uma organização não-governamental, cujo primeiro nome é Jessi, Bolsonaro tem muitas similaridades com Trump por ter uma postura de intolerância contra "as pessoas que não pensam como ele", o que provoca um ambiente de animosidade e brisão social. "Seria importante que o presidente do Brasil não adotasse um comportamento tão próximo ao de Donald Trump, mas não tenho expectativa de que Jair Bolsonaro vai mudar no curto prazo, o que é ruim."


"O Bolsonaro representa um tipo de fascismo religioso e discrimina pessoas negras, encoraja a violência policial. Desde que ele foi eleito ouvimos mais e mais notícias de homossexuais e negros mortos pela polícia. Estou aqui não por condenar Bolsonaro, mas o fascismo", afirmou Rhys Baker, inglês de 31 anos, que trabalha em comunicação digital em uma rede de TV. Ele disse que ficou sabendo da situação do Brasil através do jornalista americano Glen Greenwald.


Já Ben, americano ativista que não quis dizer o sobrenome, fez uma pós-graduação em estudos latino-americanos e disse ter muitos amigos brasileiros em Washington. "Bolsonaro representa tudo o que sou contra: sexismo, racismo, homofobia, transfobia. É terrível em todas as esferas", disse.


Bolsonaro se hospedará na Blair House, residência de hóspedes do governo americano, em frente à Casa Branca. O primeiro compromisso do brasileiro será um jantar com representantes do movimento conservador americano. A segunda-feira será destinada a encontros com empresários e investidores e, na terça-feira, Bolsonaro terá um encontro bilateral com Donald Trump.


Fonte: Terra

Maia diz que reforma da Previdência pode ser votada em maio

16/03/2019 21:09:57, Foto: Campos 24 Horas

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou neste sábado (16), após almoço de confraternização com os presidentes dos três Poderes, que a reforma da Previdência poderá estar pronta para ser votada em plenário até o fim de maio. O tema foi abordado pelos participantes do encontro, na residência oficial de Maia, com a presença ainda de 13 ministros. 


"Espero que a Previdência saia da Câmara dentro do prazo regimental. Não vou dizer [prazo] mínimo, porque 11 sessões são pouco, mas também não quero que seja o máximo, 40 sessões. Espero que possamos, até o final de maio, ter essa matéria pronta para o plenário e, a partir daí, começar a votar no plenário da Casa. Esse é o meu objetivo como presidente da Câmara e deputado, que representa o Rio de Janeiro e acredita que, para que a gente possa voltar a ter investimentos nas áreas fundamentais no meu estado, e possa voltar a gerar emprego, precisa aprovar a reforma o mais rápido possível", afirmou. 


Ontem (15), o presidente Jair Bolsonaro se reuniu com o deputado federal Felipe Francischini (PSL-PR), que vai comandar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A tramitação da reforma da Previdência começa no colegiado, que analisa a admissibilidade da Proposta de Emenda Constitucional (PEC). Durante a reunião, pelo menos cinco nomes de possíveis relatores do projeto foram analisados. 


Após passar pela CCJ, a reforma será debatida por uma comissão especial, criada especificamente para esse fim. Para passar no plenário da Casa, ela precisa ser aprovada em duas votações com pelo menos 308 votos, o que representa 60% dos deputados. Em seguida, o texto vai ao Senado, que também precisa da aprovação de 60% de seus integrantes (49 votos), em dois turnos de votação. 


Articulação


Segundo Rodrigo Maia, ainda é preciso construir o consenso de uma maioria parlamentar em torno da aprovação da reforma, algo que ainda não está feito. "A gente não pode imaginar que a demanda do deputado do Rio Grande do Sul é igual à demanda do deputado de Roraima. São completamente distintas. Nem podemos achar que uma agenda difícil, mas fundamental como a da Previdencia, é uma agenda de 330 deputados e 60 senadores. Então, é uma construção", disse. 


Para Maia, a formação de uma base parlamentar de apoio ao governo no Congresso ainda está em formação, mas deve avançar nas próximas semanas.


"Toda nova construção leva mais tempo para gerar um resultado. A gente precisa, nessa decisão do eleitor, construir a nova política, compreender como é que se constrói isso. É um processo em formação e todos estão dispostos a participar deste momento, compreendendo que há uma necessidade de o Brasil voltar a crescer e gerar emprego", disse. 


Relatoria


O presidente da Câmara ainda comentou a possibilidade de o deputado federal Agnaldo Ribeiro (PP-PB) ser indicado como relator da reforma da Previdência na comissão especial que analisará o assunto após a medida ser admitida pela CCJ.    


"O deputado Aguinaldo é sempre um bom nome para qualquer posição, seja a liderança da maioria, a presidência da comissão ou a relatoria de um projeto, ele tem habilidade e experiência para estar em qualquer posição. Eu sempre prefiro o Aguinaldo na posição de líder, mas essa é uma decisão que cabe não apenas ao presidente da Câmara, mas aos partidos que formam o bloco majoritário da Casa", acrescentou. 

Rosilani do Renê vai tomar posse terça na Câmara

Empresária convocada pela Câmara para assumir vaga de Marcos Bacellar

15/03/2019 12:12:29, Foto: Campos 24 Horas

A empresária Rosilani do Renê (PSC) confirmou através de uma rede social que toma posse na próxima terça-feira, dia 19, como vereadora de Campos. Ela vai ocupar a cadeira do vereador Marcos Bacellar (PDT), cujo registro de candidatura foi negado pela Justiça Eleitoral. Ele recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE/Brasília), porém terá de aguardar o resultado fora do cargo.


No Diário Oficial desta sexta-feira (15), a convocação da suplente foi oficializada através de um Ato Executivo assinado pelo presidente do Legislativo, Fred Machado (PPS) e membros da Mesa Diretora. Em entrevista ao Campos 24 Horas, Rosilni do Renê revelou seus planos para o mandato de vereadora (VEJA AQUI).


QUEM É ROSILANI


Ela obeteve 1.496 votos na eleição de 2016. Comanda a fábrica de produtos de limpeza Limpil, situada no Parque Guarus, ao lado do marido Renê Siqueira. Tem 45 anos e é mãe de duas filhas.


A candidatura de Rosilani foi lançada em 2016 após seu marido, o também empresário Renê Siqueira, ter sido cotado para disputar a eleição para prefeitura como candidato a vice-prefeito na chapa do então pré-candidato a prefeito Alexandre Tadeu, da TV Record.


Com a desistência de Tadeu, Renê resolveu lançar a mulher como candidata. Renê, inclusive, foi candidato a deputado estadual na última eleição. Não se elegeu, contudo obteve uma votação expressiva.


Guarus é o principal reduto eleitoral de Rosilani. Em um dos bairros do subdistrito, o Parque Santa Rosa, ela conta com o apoio do cunhado e líder de uma igreja evangélica, o Apóstolo Renan Siqueira.

José Carlos: Diniz está no caminho certo; oposição erra

ENTREVISTA

14/03/2019 18:06:58, Foto: Campos 24 Horas

O primeiro-secretário da Câmara de Campos e membro da bancada governista, vereador José Carlos Monteiro (PSDC), em entrevista ao Campos 24 Horas nesta quinta-feira (14), destacou os avanços do Governo Rafael Diniz e criticou a postura da oposição na Câmara. Segundo ele, a oposição não é propositiva, apenas torce pelo "quanto pior, melhor", mostrando que faz tudo com objetivo de voltar ao poder.


Monteiro destacou ainda a importância do Centro Integrado de Segurança Público. Ele afirma também que a população deve aguardar grandes realizações para os próximos meses, sobretudo nas áreas de saúde e educação.


Confira a entrevista no vídeo abaixo: 

Justiça libera prefeito de Niterói que poderá reassumir o cargo

Rodrigo Neves ficou preso, por 3 meses, suspeito de receber propina

13/03/2019 09:09:04, Foto: Campos 24 Horas

Por maioria, o 3º Grupo de Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) autorizou a liberdade para o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves. Ele estava preso preventivamente desde 10 de dezembro, no presídio de Bangu 8, no Complexo de Gericinó, na zona oeste do Rio. Ele é considerado suspeito de receber propina. Neves pode reassumir o cargo na prefeitura.


A medida beneficiou mais quatro presos na Operação Alameda, Domício Mascarenhas, ex-secretário municipal, João Carlos Félix Teixeira, presidente do TransOceânico, e João dos Anjos Silva Soares, presidente do Transnit, que responderão em liberdade. Todos foram presos durante desdobramento da Operação Lava-Jato no Rio.


A decisão impôs medidas cautelares. Os acusados não poderão sair do Rio de Janeiro nem do Brasil, terão os passaportes recolhidos e não poderão manter contato entre eles nem com as testemunhas arroladas pelo Ministério Público. Todos estão também impedidos de deixar a cidade de Niterói por mais de oito dias sem autorização do juízo.


Segundo o TJRJ, o desembargador Paulo Baldez, integrante do 3º Grupo de Câmaras Criminais, pediu vista e foram adiados os julgamentos do recebimento de denúncia do Ministério Público e da homologação da delação premiada.


Fonte: Agência Brasil

Protesto de motoristas de vans tem críticas ao IMTT

Manifestação na tarde desta terça. Motoristas reclamam de perseguição

12/03/2019 17:05:51, Foto: Campos 24 Horas

Motoristas de vans realizam uma manifestação diante da Câmara de Vereadores na tarde desta terça-feira (12). Eles reclamam de perseguição por parte do Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT), que vem, segundo eles, aplicando multas com valores altos, inviabilizando a atividade no município. Eles também não concordam com o novo formato de transporte coletivo, apresentado pela prefeitura, sobretudo por terem de atuar somente em localidades distantes da área central. 


"A prefeitura não nos ouve. Estamos aqui para tentar contato com os vereadores e encaminhar nossa pauta", disse Saulo Nunes, um dos manifestantes, que ainda fez duras críticas ao presidente do IMTT, Felipe Quintanilha. 


O presidente da Câmara, Fred Machado, e alguns vereadores recebeu uma comissão dos motoristas. Ficou definido que uma nova reunião ocorrerá na próxima quinta-feira, 14h, com a presença do presidente do IMTT, Felipe Quintanilha, a fim de discutir alguns pontos do novo modelo de transporte coletivo.

Rosilani diz que vai ouvir a voz das ruas; entrevista

Câmara convoca Rosilani do Renê (PSC) para a vaga de Marcos Bacellar (PDT)

09/03/2019 23:11:12, Foto: Campos 24 Horas

A Câmara de Campos irá cumprir uma determinação do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) e convocar Rosilani do Renê (PSC) para assumir a vaga de Marcos Bacellar (PDT), que teve seu registro cassado.


A nova vereadora falou ao Campos 24 Horas sobre seus planos para o Legislativo.


Veja a entrevista no vídeo abaixo:


Bolsonaro e Trump encontram-se dia 19, diz Casa Branca

Entre os temas que poderão ser discutidos no encontro, destacam-se a cooperação na área da defesa, políticas comerciais, combate ao crime transnacional e a crise na Venezuela

09/03/2019 09:09:25, Foto: Campos 24 Horas

Os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos, Jair Bolsonaro e Donald Trump, vão se encontrar no próximo dia 19, segundo comunicado da Casa Branca. Entre os temas que poderão ser discutidos no encontro, destacam-se a cooperação na área da defesa, políticas comerciais, combate ao crime transnacional e a crise na Venezuela.


De acordo com a Casa Branca, Bolsonaro e Trump vão conversar sobre os esforços para fornecer ajuda humanitária à Venezuela. Brasil, Estados Unidos e Colômbia lideraram o movimento de doações para os venezuelanos a partir da cidade colombiana de Cúcuta e da brasileira Boa Vista, capital de Roraima.


Os Estados Unidos e o Brasil, mais de 50 nações no total, reconheceram Juan Guaidó, autodeclarado presidente da Venezuela, como legítimo. Guaidó é presidente da Assembleia Nacional da Venezuela. O impasse no país vizinho permanece, pois o presidente Nicolás Maduro diz que vai se manter no poder com apoio da China, Rússia e Turquia, do México e Uruguai.


A viagem de Bolsonaro deve ocorrer entre os dias 18 e 22 deste mês. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fizeram viagens aos Estados Unidos para preparar a visita do presidente da República.


Fonte: Agência Brasil

TRF4 confirma que Odebrecht não pode ter contas bloqueadas

A decisão foi proferida na semana passada e divulgada nesta quinta-feira (7)

08/03/2019 10:10:11, Foto: Campos 24 Horas

A Terceira Turma do Tribunal Regional Federal (TRF4) da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, confirmou, por unanimidade, que a Odebrecht não pode ter contas bloqueadas em função do acordo de leniência assinado com o governo federal no âmbito das investigações da Operação Lava Jato. A decisão foi proferida na semana passada e brulgada nesta quinta-feira (7). 


Em 2016, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com uma ação de improbidade administrativa na Justiça Federal para cobrar o ressarcimento pelos desvios de recursos públicos na Petrobras, que foram descobertos com as investigações da Lava Jato. Na ocasião, a AGU requereu a indisponibilidade de bens da empreiteira e o bloqueio de valores para garantir o pagamento. O pedido foi aceito pela primeira instância, mas foi derrubado posteriormente. 


Dois anos após o pedido, a Odebrecht assinou acordo de leniência com a União, no qual a empresa se comprometeu a fazer o pagamento de R$ 2,7 bilhões em 22 anos por irregularidades em 49 contratos da construtora com o governo federal.


Ao julgar o mérito da questão, o colegiado do TRF4 entendeu que as regras do acordo assinado devem prevalecer e as contas da empresa não podem ficar indisponíveis. 


O acordo de leniência é firmado quando uma empresa admite ter cometido ilícitos contra o Estado, como superfaturamento ou pagamento de propina a agentes, e decide colaborar com investigações. Em troca, volta a participar de licitações e a assinar contratos com o governo. 

Bolsonaro pede "sacrifício" dos militares na reforma da Previdência

07/03/2019 17:05:54, Foto: Campos 24 Horas

O presidente Jair Bolsonaro pediu hoje (7) o “sacrifício” dos militares para que apoiem a proposta de reforma da Previdência. O projeto de lei específico para o regime das Forças Armadas deve ser enviado ainda este mês ao Congresso para tramitar junto com a reforma do sistema previdenciário geral.


“Peço também o sacrifício porque entraremos, sim, na nova Previdência, que atingirá os militares. Mas não deixaremos de lado e não esqueceremos as especificidades do cargo de vocês. Temos um ministério firmado por pessoas comprometidas com o futuro do Brasil, que nos ajudam a conduzir essa grande nação”, disse.


O presidente participou hoje (7) da cerimônia comemorativa dos 211 anos do Corpo de Fuzileiros Navais, na Fortaleza de São José, na Ilha das Cobras, no Rio de Janeiro.


O governo quer aumentar o tempo de contribuição dos militares de 30 para 35 anos, assim como aumentar a alíquota única dos militares de 7,5% para 10,5%. A nova alíquota deve ser cobrada também no pagamento das pensões para dependentes de militares, benefício atualmente financiado exclusivamente pelo governo federal.


Um ponto relativo aos militares entrou na proposta de emenda à Constituição enviada no dia 20 de fevereiro ao Congresso. O governo quer que militares temporários – que ficam até oito anos nas Forças Armadas e não prosseguem na carreira militar – contribuam para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). De acordo com o governo, os temporários correspondem atualmente a 60% do contingente militar.


Amazônia


O presidente destacou ainda a intensa atuação das Forças Armadas na região amazônica. “Estive na Amazônia, fui recebido por 200 pessoas para conversar sobre essa área mais rica e tão deixada de lado, que é a nossa querida Amazônia brasileira. Vou conversar com o ministro da Defesa para ter uma retaguarda jurídica para que vocês possam bem exercer o seu trabalho, em especial nas missões extraordinárias”, disse.


O Corpo de Fuzileiros Navais é uma força integrante da Marinha do Brasil e atua na segurança de instalações e em ações sociais em todo o território nacional.

Ao lado da prefeita Carla Machado, deputado João Peixoto prestigia Carnaval de SJB

07/03/2019 17:05:46, Foto: Campos 24 Horas

O deputado estadual João Peixoto prestigiou o carnaval na Avenida do Samba, em São João da Barra, onde aconteceram os desfiles das Escolas de Samba Congos e Chinês. O parlamentar caminhou pela avenida e pode rever grandes amigos. Em seguida,  se dirigiu aos camarote da prefeitura, onde foi recebido pela prefeita Carla Machado, vereadores e secretários.


"Parabenizo a todos os integrantes das escolas de samba pelo verdadeiro show que deram na avenida, a prefeita Carla Machado pela belíssima programação de verão e pela gestão que vem realizando nesse querido município. Aos amigos sanjoanenses, muito obrigado pelo carinho e receptividade. Parabenizo também os demais prefeitos da região pela temporada de verão realizada nos municípios, atraindo turistas que movimentaram a economia", disse João Peixoto.

Mourão: Bolsonaro foi mal interpretado em fala sobre Forças Armadas

07/03/2019 17:05:46, Foto: Campos 24 Horas

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse hoje (7) que foi mal interpretada a declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre as Forças Armadas. “O presidente está sendo mal interpretado. O presidente falou que, onde as Forças Armadas não estão comprometidas com democracia e liberdade, esses valores morrem”, afirmou.


Segundo o vice-presidente, Bolsonaro quis fazer um paralelo entre a atuação das Forças Armadas no Brasil e na Venezuela, onde a maior parte dos militares apoia o regime de Nicolás Maduro. “É o que acontece na Venezuela. Lá, as Forças Armadas rasgaram isso aí. Foi isso que ele quis dizer”, completou.


Bolsonaro participou, pela manhã, da cerimônia comemorativa dos 211 anos do Corpo de Fuzileiros Navais. Em seu discurso, ele agradeceu às Forças Armadas e afirmou que “democracia e liberdade só existem quando as suas Forças Armadas assim as querem”.


O pronunciamento de Bolsonaro provocou reação no meio político e a resposta do seu vice. “Se as Forças Armadas não são comprometidas com democracia e liberdade, elas não subsistem. Está aí nosso vizinho, a Venezuela, para mostrar isso aí”, afirmou Mourão.

Bandidos rendem professora com filho e roubam carro entre Campos e São Francisco

Bandidos fazem assalto entre Campos e São Francisco de Itabapoana

06/03/2019 09:09:23, Foto: Campos 24 Horas

A polícia procura bandidos que interceptaram uma professora e roubaram o automóvel dela, no último fim de semana, na RJ 224, estrada que liga as cidades de Campos e São Francisco de Itabapoana. Segundo a polícia, bandidos armados atravessaram um carro na altura de Travessão de Campos, obrigando a professora a parar. Ela foi retirada do carro junto com um filho adolescente. Os bandidos fugiram levando o carro dela, um Crossfox de cor prata, de placa PPA-4596.


A professora e o filho foram deixados em um matagal. Ela reside em uma localidade de São Francisco de Itabapoana e retornava de uma viagem. O assalto ocorreu durante a madrugada, o que dificultou o pedido de ajuda.


Com muito medo, a professora e o filho tiveram que caminhar até a Usina Canabrava para pedir ajuda.


Informações sobre o carro roubado podem ser passadas para a 147ª Delegacia de Polícia de São Francisco de Itabapoana, através do telefone (22) 2789-1561.

Governo Bolsonaro entrega 100 cargos a militares após 2 meses

Militares atuam tanto na chefia de ministérios quanto em bancos federais, autarquias e institutos

04/03/2019 09:09:15, Foto: Campos 24 Horas

Após pouco mais de dois meses de governo, a gestão Bolsonaro escalou militares para ocuparem cerca de 100 vagas de 2º e 3º escalões.


O levantamento foi feito pelo jornal O Estado de S. Paulo, que destaca a presença dos militares tanto no chefia de ministérios quanto para atuação em bancos federais, autarquias e institutos, entre os quais o Ibama e o ICMBio.


A forte presença dos militares no governo pode ser justificada, entre outros fatores, pelo forte desgaste da classe política.


Fonte: Notícias Ao Minuto

Lula volta para carceragem em Curitiba após cremação do corpo do neto

02/03/2019 20:08:49, Foto: Campos 24 Horas

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está retornando à carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba, após participar do velório e acompanhar a cremação do corpo de seu quinto neto, Arthur Lula da Silva, que morreu aos 7 anos por causa de uma meningite meningocócica.


Lula ficou cerca de duas horas no cemitério, onde chegou escoltado e acompanhou o velório e a cerimônia de cremação ao lado de amigos e da família. 


O ex-presidente deixou o cemitério de São Bernardo do Campo, na região do ABC Paulista, de onde tomou helicóptero para se deslocar até o aeroporto de Congonhas, em São Paulo, de onde embarca para Curitiba.


A viagem de volta à capital paranaense será feita em avião do governo do estado, conforme pedido da Polícia Federal.

Brasil pede segurança na volta de Guaidó à Venezuela

02/03/2019 19:07:19, Foto: Campos 24 Horas

O governo brasileiro espera que o retorno do autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, a seu país ocorra sem incidentes. Guaidó, que é o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, equivalente ao Congresso Nacional brasileiro, disse que pretende retornar ao país até segunda-feira (4).


Em nota, o Ministério das Relações Exteriores disse que o Brasil manifesta a expectativa de que os direitos e a segurança de Guaidó, seus parentes e assessores sejam plenamente respeitados.


“O governo brasileiro, ao rechaçar as intimidações e ameaças do regime Maduro contra o presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, e sua família, manifesta a expectativa de que sua volta à Venezuela ocorra sem incidentes e que os direitos e segurança do presidente Guaidó, seus familiares e assessores sejam plenamente respeitados por aqueles que ainda controlam o aparato de repressão do regime”, afirmou o Itamaraty.


No Twitter, Guaidó informou que foi recebido hoje (2) pelo presidente do Equador, Lenín Moreno. A reunião, segundo ele, teve como objetivo fortalecer o apoio que tem recebido de países da região.


Guaidó esteve ontem com os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez. 


Na quinta-feira (28), Guaidó esteve em Brasília, onde se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro, ministros e parlamentares, no Congresso Nacional.

Queiroz diz que gerenciava salários para expandir 'atuação parlamentar' de Flávio Bolsonaro sem conhecimento do deputado

Ex-assessor afirmou ao Ministério Público que considerava a prática lícita e negou que tenha se apropriado dos valores

01/03/2019 09:09:29, Foto: Campos 24 Horas

O ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Fabrício Queiroz, disse ao Ministério Público que gerenciava a remuneração dos servidores do gabinete do então deputado para expandir sua "atuação parlamentar". Flávio, hoje senador, e o chefe do gabinete não tinham conhecimento da prática, segundo Queiroz.


O ex-assessor apresentou, pela primeira vez, esclarecimentos, por escrito, ao Ministério Público do Estado do Rio. A informação foi brulgada pelo jornal "O Estado de S. Paulo". No documento enviado pela defesa ao MP, a que TV Globo também teve acesso, Queiroz negou que tenha se apropriado dos valores.


De acordo com o conselho de controle de atividades financeiras, o Coaf, Fabrício Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão em conta bancária entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. O MP investiga se funcionários dos gabinetes devolviam parte dos salários aos deputados, numa operação conhecida como "rachadinha".


O ex-assessor afirma que o dinheiro era usado para ampliar a rede de colaboradores que atuavam junto à base eleitoral de Flávio.


Segundo o documento, Queiroz “entendeu que a melhor maneira de intensificar a atuação política seria a multiplicação dos assessores de base eleitoral, valendo-se, assim, da confiança e da autonomia que possuía para designar vários assistentes de base, a partir do gerenciamento financeiro dos valores que cada um destes recebia mensalmente”.


De acordo com a declaração, isso significa que, “com a remuneração de apenas um assessor parlamentar”, Queiroz “conseguia designar alguns outros assessores para exercer a mesma função, expandindo, dessa forma, a atuação parlamentar do deputado”.


O ex-assessor não deu detalhes sobre como ocorriam essas contratações e quantos novos servidores teriam sido chamados para trabalhar para Flávio.


Queiroz diz ainda que acredita que agiu de forma lícita e que seus superiores não tinham conhecimento dessa prática.


Ele afirma que “buscava a concordância prévia das pessoas que indicava para as funções quanto à desconcentração de parte de sua remuneração para os fins já descritos” e que “o emprego dos recursos se revestia de evidente finalidade pública”, pois “multiplicar e refinar os meios de escuta da população por um parlamentar consiste em claríssimo reforço de aspecto central da atividade-fim parlamentar”.


A declaração ainda afirma que Queiroz “nunca reputou necessário expor a arquitetura interna do mecanismo que criou ao próprio deputado e ao chefe de gabinete, ou seja, seus superiores não tinham qualquer conhecimento acerca dessa atuação”.


Fonte: G1

Delações da OAS revelam pagamentos milionários a Cabral, Paes, Aécio, Serra e outros 17 políticos

A revelação é parte da delação premiada feita por oito ex-funcionários que atuavam na “Controladoria de Projetos Estruturados”

27/02/2019 11:11:19, Foto: Campos 24 Horas

A construtora OAS distribuiu entre 2010 e 2014 cerca de R$ 125 milhões em propinas e repasses de caixa dois a pelo menos 21 políticos de oito partidos. A revelação é parte da delação premiada feita por oito ex-funcionários que atuavam na "Controladoria de Projetos Estruturados", o departamento clandestino da empreiteira, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado e que era mantida até agora em sigilo.


O Jornal O GLOBO teve acesso a um relatório de 73 páginas da Procuradoria-Geral da República (PGR) em que a procuradora-geral, Raquel Dodge, resume as revelações dos ex-executivos, contidas em 217 depoimentos, e pede providências ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no Supremo. Os funcionários do setor revelaram os nomes dos políticos, as campanhas financiadas irregularmente, as obras superfaturadas para alimentar o caixa clandestino da empreiteira e o método de funcionamento do esquema.


A lista de beneficiários elencada pelos delatores é multipartidária e reuniria alguns dos mais proeminentes políticos do país no período. Entre os acusados de receber propina estão o senador Jaques Wagner (PT) e o ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União, além do ex-governador Fernando Pimentel (PT-MG), do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) e do ex-ministro Edison Lobão (MDB-MA). Vários outros teriam recebido caixa dois, entre eles o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o senador José Serra (PSDB-SP), o deputado Aécio Neves (PSDB-MG), o ex-prefeito Eduardo Paes e o ex-governador Sérgio Cabral. Procurados, eles refutaram as acusações ou negaram-se a comentá-las.


Fonte: Extra

PF faz busca e apreensão em casa de parente de ex-secretário de Cabral

O pedido para a busca foi feito pela força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro

26/02/2019 15:03:08, Foto: Campos 24 Horas

A Polícia Federal cumpriu hoje (26) mandados de busca e apreensão em casas de parentes de Régis Fichtner, ex-secretário da Casa Civil de Sérgio Cabral, e do coronel da Polícia Militar Fernando França Martins, na segunda etapa da Operação Consigliere. Os dois foram presos no dia 15, na primeira etapa da operação.


Segundo o Ministério Público Federal, há indícios de que Fichtner oculta patrimônio e tentou destruir provas. Já França, foi identificado como a pessoa que recolhia parte das propinas recebidas pelo ex-secretário durante o governo Cabral, de 2007 a 2014.


O pedido para a busca foi feito pela força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro. As ações ocorreram no endereço do filho do coronel, Fábio Braga Martins, e do irmão do ex-secretário, José Antônio Velasco Fichtner Pereira. O escritório Andrade e Fichtner Advogados também foi alvo da operação, após a ligação apontada pelo depoimento de Cabral na semana passada.


Depoimento

Cabral prestou depoimento no dia 21 na sede da Procuradoria da República do Rio de Janeiro. Ele compareceu por vontade própria, “indo ao encontro de uma nova postura que pretende adotar frente às investigações”, segundo consta no termo brulgado hoje (26) pelo Ministério Público Federal.


Cabral falou sobre sua relação pessoal e profissional com Régis Fichtner e o acusou de usar, desde 1999, o “prestígio político” de Cabral por meio de seu escritório de advocacia, tentando fazer indicações para o cargo de desembargador e de ministro dos tribunais superiores, além de pedir a atuação como senador a favor de clientes dele. Cabral também admitiu que Fichtner era seu assessor e consultor jurídico.


O ex-governador disse que Fichtner, que ocupou o cargo de secretário da Casa Civil de seu governo, trabalhou em suas campanhas desde 1998 e que, desde 2002, operacionalizava o recebimento de caixa 2. Cabral disse também que ele era o responsável por várias “vantagens indevidas” pagas por empresas que fechavam contratos com o governo. Pelos serviços, Fichtner recebia mensalmente, desde 2007, entre R$ 100 mil e R$ 150 mil.


O núcleo do esquema, segundo apontou Cabral, era formado por ele mesmo, Fichtner, Wilson Carlos e Luiz Fernando Pezão, que foi vice de Cabral e secretário de Obras. Cabral apontou o recebimento de propina pela reforma e concessão do Maracanã, além de concessões no setor de transporte. Fichtner também recebia propina por meio dos serviços advocatícios prestados por seu escritório às empresas envolvidas, que eram superfaturados, ou mesmo por contratos fictícios, sem a prestação do serviço, segundo o ex-governador.


Cabral disse que recebeu do empresário Eike Batista R$ 16 milhões para campanha e que destinou R$ 30 milhões para o hospital da Dra. Rosa, relacionada com a obra do Porto do Açu. Os recursos movimentados pelo escritório de Fichtner passaram de R$ 10 milhões, apenas em questões relacionadas ao Porto do Açu.


Na linha 4 do metrô, Cabral disse que o preço poderia ser menor “se não houvesse a combinação com as empresas” e que Fichtner recebeu R$ 5 milhões de propina com esta obra. Ele relatou que foi feita uma mudança de traçado sem a realização de nova licitação. Segundo Cabral, a construtora Odebrecht participou do esquema e pagou propinas referentes às obras do Maracanã e do metrô.


Defesa

O escritório de advocacia Andrade & Fichtner enviou nota em que “nega peremptoriamente” as acusações. “A ser verdade que o ex-governador tenha feito tais declarações, elas só podem estar servindo ao propósito de obtenção de benefícios ilegítimos de alguém que já foi condenado em inúmeros processos. O sigilo bancário do escritório foi quebrado atendendo requerimento do Ministério Público Federal pela Justiça no ano de 2017 e nenhum dos fatos relatados foi comprovado. O escritório tem mais de 30 anos de existência e sempre manteve uma postura honrada no exercício de suas atividades”.


Já a defesa de Régis Fichtner informou que só vai se manifestar quando tiver acesso ao depoimento do ex-governador.


O advogado de Eike Batista, Fernando Martins, informou que não teve acesso ao conteúdo do depoimento de Sergio Cabral e que “Eike Batista refuta qualquer acusação de relações escusas com o então governador Sergio Cabral ou qualquer outro agente público.”


A defesa de Pezão não se manifestou após contato da reportagem e a construtora Odebrecht não retornou o contato.


Fonte: Agência Brasil

Bolsonaro tem 57,5% de aprovação, mostra pesquisa CNT/MDA

26/02/2019 15:03:34, Foto: Campos 24 Horas

Pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) em parceria com o Instituto MDA, brulgada hoje (26), indica que a avaliação pessoal do presidente Jair Bolsonaro conta com 57,5% de aprovação, 28,2% de desaprovação e 14,3% dos entrevistados não souberam opinar. Foram ouvidas 2.002 pessoas em 137 municípios de 25 unidades federativas nas cinco regiões do país, de 21 a 23 de fevereiro.


A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.


De acordo com o levantamento, 82,7% dos entrevistados declararam ter votado para presidente no pleito de 2018. Desses, 70,4% estão satisfeitos com o voto; 15,9% estão muito satisfeitos; e 7,6% estão arrependidos.


Dos 2.002 entrevistados, 38,9% consideram positivo o governo federal e 19% o avaliam como ruim. Para 29% dos entrevistados, a gestão é considerada regular e 13,1% não souberam responder.


A pesquisa apontou ainda os desafios, considerados prioritários, pelos entrevistados. De acordo com a ordem mencionada estão aperfeiçoar os sistemas de saúde, segurança, educação, além de combater a corrupção, gerar emprego e incrementar a economia.


O combate à pobreza, a preservação do meio ambiente, o aperfeiçoamento do sistema de saneamento e de energia, assim como transporte público também são itens citados pelos ouvidos na pesquisa.


Antecessores

Na comparação com seus antecessores, 55,4% dos brasileiros avaliam que o governo Bolsonaro melhorou em relação à gestão de Michel Temer. Para 24,3%, está igual, enquanto 8,7% dos entrevistados defenderam que piorou.


No comparativo com o governo de Dilma Rousseff, 55,9% avaliam que a gestão atual melhorou. Para 19,4%, que está igual e 14,5% afirmam que houve piora.


Expectativas

A pesquisa mede ainda a expectativa da população para os próximos seis meses em relação a temas como emprego, renda, saúde, educação e segurança pública. Dos entrevistados, 53,3% confiam que a segurança pública terá melhoras, 17,5% dizem que vai piorar e 26,3% acreditam que vai ficar igual.


Para 51,3% a emprego vai melhorar, 17,2% afirmam que vai piorar e 28,7% acreditam que ficará como está. Segundo 33,8% dos entrevistados, a renda mensal vai aumentar. Para 9,6% , vai diminuir e 51,2% dizem que vai ficar igual.


Dos 2.002 ouvidos, 41,7% acreditam que haverá melhora no atendimento à saúde, 19,2% acreditam que vai piorar e 36% não vê mudanças. Para 47,2%, a educação vai melhorar, 15,6% afirmam que vai piorar e 34,8% confiam que se manterá como está.


Ações

Foram consultadas também questões como reestruturação de ministérios e órgãos públicos, a definição do novo salário mínimo, decreto que flexibiliza a posse de armas, combate à corrupção, reforma da Previdência e pacote anticrime.


Para 62,2% dos entrevistados, foi positiva a reestruturação de ministérios e órgãos federais, 21,3% desaprovam. A elevação do salário mínimo para R$ 998 contou com 29,5% aprovação e 66,9% de desaprovação.


O decreto que flexibiliza a posse de armas conta com 42,9% de aprovação e 52,6% de rejeição. A discussão sobre a reforma da Previdência tem 43,4% de aprovação e 45,6% desaprovação. O pacote anticrime tem 62% de avaliação positiva e 18,8% de desaprovação.


Em relação ao combate à corrupção, 48,3% avaliam que o governo federal busca cumprir as promessas de campanha, 21,6% avaliam que está pior do que o esperado e 20,6% consideram que está melhor.


Governadores e prefeitos

O levantamento também avaliou o desempenho dos governadores e prefeitos. Na pesquisa, 7,1% dos entrevistados avaliam o governador de seu estado como ótimo; 29,7% como bom; 32,7% como regular; 8,5% como ruim; e 10,4% como péssimo.


A pesquisa analisa também os governos municipais: 7,4% dos entrevistados avaliam o prefeito de sua cidade como ótimo, 24,8% como bom e 29,2% como regular. Outros 13,5% como ruim; e 21,5% como péssimo.


Fonte: Agência Brasil

Anuncie Conosco

(22) 9 9709-9308

E-mail:

VerboTec Desenvolvimento e Tecnologia.