Atualizado em 31/12/2021, 09h07, Foto: Campos 24 Horas

2021 foi um ano marcado em Campos por acontecimentos impactantes e expectativa para medidas de um governo comandado por um prefeito jovem, a fim de que o município polo da região superasse a crise causada pela pandemia da Covid e pela pífia atuação do governo passado.  O balanço que o Campos 24 Horas produziu de um ano da gestão do prefeito Wladimir Garotinho (PSD) mostra importantes conquistas e avanços nestes primeiros 365 dias de governo, mas também há grandes desafios para o próximo ano. Entre as primeiras medidas do gestor, o saneamento das finanças da prefeitura, o que lhe permitiu pagar 15 folhas dos servidores em 12 meses, em razão dos atrasos do pagamento do mês de dezembro e do décimo terceiro salário deixado pelo governo anterior. Outro ponto positivo a se destacar foi a sintonia entre Wladimir e o governador Cláudio Castro e os recursos obtidos através de emendas parlamentares, além da recuperação de estradas abandonadas pelo governo anterior. Além das questões administrativas, um dos momentos em que o prefeito se emocionou foi quando orou com um grupo de evangélicos no monte da Codin, em Guarus (foto acima). Mas, Wladimir terá em 2022 situações desafiadoras pela frente, como o cenário do transporte público de passageiros e reajuste de servidores, que estão há seis anos sem reajuste de salários. Confira abaixo.


A partir da organização das finanças municipais, que em parte pode ser creditada a elevação das receitas de royalties do petróleo, Wladimir anunciou a definição de um calendário de pagamento para os servidores ativos e inativos, garantindo a tranquilidade do funcionalismo, que convivia com a insegurança, a incerteza e os atrasos em suas contas ao tempo do governo do prefeito Rafael Diniz (Cidadania). (leia mais abaixo)


A propósito, esta segurança transmitida ao servidor durante a campanha eleitoral foi logo reforçada nos primeiros dias de governo, quando o prefeito reiterou que “a primeira das prioridades era o pagamento em dia do servidor”. (leia mais abaixo)


Logo que assumiu o governo, Wladimir buscou parcerias com os governos estadual e federal na busca de soluções para despesas de custeio e investimentos estruturantes no município. (leia mais abaixo)


Com o governador Cláudio Castro (PL), o prefeito conseguiu trazer um conjunto de obras e recursos da ordem de R$ 500 milhões, mas que pode chegar a R$ 1 milhão, segundo o próprio Wladimir, para obras de infraestrutura em vários bairros. (leia mais abaixo)


Inicialmente, os recursos foram direcionados para arcar com custos da reabertura do Restaurante Popular, as obras de reforma do Hospital Geral de Guarus (HGG) e a conclusão das obras de infraestrutura no Parque Saraiva, em Goytacazes. (leia mais abaixo)


As obras do HGG estão em ritmo acelerado. A prefeitura teve que instalar refletores para que os trabalhadores possam estender o expediente que tem sido ampliado até 22h.  (leia mais abaixo)


A sintonia entre Wladimir e Castro levou ao governador ajudar o prefeito no custeio do próprio pagamento dos salários em atraso dos servidores no período mais agudo da crise financeira, quando o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) determinou restrições no uso de royalties para custear a folha de pagamento. (leia mais abaixo)


No plano federal, os recursos tem origem em emendas parlamentares que têm sido viabilizadas pela deputada Clarissa Garotinho (Pros), irmã do prefeito, em boa parte para a área da Saúde. (leia mais abaixo)


A propósito, esta engenharia financeira possibilitou que Wladimir buscasse regularizar o pagamento de serviços dos hospitais contratualizados e entidades assistenciais que mantêm convênios de prestação de serviços com a prefeitura.  (leia mais abaixo)


Tais parcerias tem igualmente permitido obras de reformas em estradas vicinais do município, além de compra de maquinas para obras de drenagem de canais. (leia mais abaixo)


Para 2022, com recursos próprios e do governo estadual, mais as emendas parlamentares, Wladimir espera deslanchar um programa de obras estruturantes em vários bairros, nos mesmos moldes do Bairro Legal, implementado pela ex-prefeita Rosinha Garotinho e que irão fazer a prefeitura funcionar como verdadeiro indutor do crescimento do município, “gerando mais empregos e fazendo o dinheiro circular no município”. (leia mais abaixo)


No bojo deste rol de obras e serviços, um megaprograma de recapeamento de ruas e estradas está inserido com recursos de R$ 70 milhões do governo estadual e também graças a uma emenda de R$ 8 milhões do senador Carlos Portinho (PL). A licitação de obras desta ultima emenda parlamentar está marcada para o dia 18/01. (leia mais abaixo)


O governo do prefeito Wladimir Garotinho pode também celebrar os avanços no empreendedorismo com a inserção de milhares de trabalhadores autônomos como microempreendedores individuais (MEI).  (leia mais abaixo)


DESAFIOS 2022 - Mas Wladimir terá em 2022 situações desafiadoras pela frente com o cenário do transporte público de passageiros em Campos, que ainda acumula problemas na disputa entre as empresas de ônibus e cooperativas de vans. (leia mais abaixo)


Na disputa por linhas de maior demanda de passageiros, os dois setores acabam prestando serviço deficiente especialmente nos distritos e localidades mais distantes do Centro.  (leia mais abaixo) 


Além da concorrência com as vans, os empresários do setor de transporte reclamam da defasagem no preço da tarifa e do custo operacional das empresas. Entre os insumos de maior índice de majoração está o óleo diesel que sofreu aumento de mais de 50% durante o ano. (leia mais abaixo)


Outro desafio a ser encarado pelo prefeito diz respeito aos servidores, que estão há seis anos sem reajuste de salários. O prefeito afirma que no momento não há recursos para pagar a reposição ao funcionalismo, no que é contestado pelo funcionalismo. (leia mais abaixo)


Lideranças sindicais dos trabalhadores, porém, lembram que a prefeitura conta com a elevação das receitas dos royalties que permitiram folga de caixa da prefeitura este ano. Mas o prefeito contrapõe a afirmação, ao reiterar que o governo tem restrições para uso de recursos dos royalties para pagamento do funcionalismo. (leia mais abaixo)


Mesmo com um bônus extra de R$ 2 mil aos servidores a ser pago em janeiro, os servidores têm manifestado descontentamento com o grande período de sem reajuste, prenúncio de outros embates em 2022.    

Entre para nosso
Grupo WhatsApp

Fique sempre bem informado sobre as últimas notícias!