09/05/2022, 15h38, Foto: Divulgação

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, enviou aos integrantes da Comissão de Transparência das Eleições (CTE) um ofício com as respostas a questionamentos feitos pelo Ministério da Defesa sobre o sistema eleitoral. O envio estava previsto para quarta-feira (11), mas foi antecipado para esta segunda-feira (9). (leia mais abaixo)


No documento, o tribunal analisa os sete questionamentos dos militares: (leia mais abaixo)


Nível de confiança do teste de integridade;

Processo de amostragem aleatório para seleção de urnas que compõem o teste de integridade;

Totalização com redundância pelos TREs;

Fiscalização e auditoria;

Inclusão de urnas do modelo UE2020 no teste público;

Procedimentos normativos para a hipótese de verificação de irregularidade em teste de integridade;

Sugestões para uma possível duplicidade entre abstenção e voto.


O relatório técnico do TSE classificou como “opinião” as avaliações apresentadas pelo representante das Forças Armadas na Comissão de Transparência. (leia mais abaixo)


Nas respostas, o tribunal desmente a tese apresentada pelas Forças Armadas de que a totalização dos votos seria feita apenas pelo TSE. (leia mais abaixo)


“É impreciso afirmar que os TREs não participam da totalização: muito pelo contrário, os TREs continuam comandando as totalizações em suas respectivas unidades da federação”, afirma o ofício. (leia mais abaixo)


O tribunal disse ainda que não há “sala escura” de apuração. (leia mais abaixo)


“Os votos digitados na urna eletrônica são votos automaticamente computados e podem ser contabilizados em qualquer lugar, inclusive, em todos os pontos do Brasil”, diz a Corte, que, no entanto, afirma agradecer todas as considerações e contribuições ofertadas”, disse. (leia mais abaixo)


Segundo o TSE, o funcionamento de todas as urnas eletrônicas é igual e nunca foi constatada qualquer irregularidade nos testes de integridade anteriores. (leia mais abaixo)


Sobre o processo de amostragem aleatório para a seleção de urnas que compõem o teste de integridade, o tribunal respondeu que, a fim de aumentar o engajamento e a participação das entidades fiscalizadoras, optou pela possibilidade de que a escolha das seções eleitorais a serem auditadas nos testes de integridade seja feita pelas próprias entidades fiscalizadoras. (leia mais abaixo)


Confira a íntegra das respostas do TSE abaixo ou clicando aqui.


Fonte: CNN

Entre para nosso
Grupo WhatsApp

Fique sempre bem informado sobre as últimas notícias!