04/08/2022, 10h22, Foto: Reprodução

Horas após o Partido dos Trabalhadores (PT) anunciar acordo com o Pros para a sigla apoiar o ex-presidente Lula (PT) no pleito de outubro, Pablo Marçal, então pré-candidato à Presidência pelo Pros, simulou uma renúncia da candidatura, na noite desta quarta-feira (3/8). O empresário convocou um encontro híbrido às pressas no início da noite desta quarta-feira com o assunto "A renúncia de Pablo Marçal". (leia mais abaixo)


Com a presença de seguidores e da imprensa na sede da empresa de treinamento dele, em Alphaville (SP), Pablo falou que ia anunciar a renúncia dele e, após alguns minutos de críticas à Lula e Bolsonaro, declarou que renunciaria do tempo com familiares e tranquilidade, mas não da Presidência da República. (leia mais abaixo)


“Isso não é pra ser uma palestra. O Brasil tá precisando de ajuda mesmo. Não faz sentido nenhum a gente ter as piores pessoas na política, enquanto as que podem fazer algo não conseguem chegar lá, levam rasteiras. Imagina alguém que está liderando as pesquisas preocupado com candidato nanico. Por que ele se importa com meus 1%?”, começou Marçal. (leia mais abaixo)


"Então, vou falar aqui pra vocês sobre a minha denúncia. Eu renuncio, a partir de agora [pausa] o meu tempo de qualidade com a família, os milhões de reais que estou deixando de faturar, das minhas férias, o meu campeonato de corrida", disse, logo antes de falar que quem o queria ver fora não conseguiria o desejado. (leia mais abaixo)


"Se depender de mim, nunca mais nem Lula nem Bolsonaro vão sentar na cadeira de presidente da República. Nunca mais", disse. (leia mais abaixo)


O encontro promovido por Pablo foi convocado às pressas: o anúncio foi feito na tarde desta quarta-feira (3/8), logo após a declaração do Partido dos Trabalhadores (PT) de que o Pros, sigla de Marçal, firmou acordo para apoiar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). (leia mais abaixo)


A aliança foi feita por meio de Eurípedes Júnior, fundador do Pros que retomou à presidência do partido após determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) no domingo (31/7). Eurípedes estava afastado desde março, quando uma briga interna da sigla se tornou judicial após uma reunião partidária eleger Marcus Holanda como novo líder da sigla. Holanda liderava uma ala contrária do Pros e acusava Eurípedes de desvios milionários. (leia mais abaixo)


Logo que voltou ao poder, Eurípedes se reuniu com o PT e decidiu apoiar Lula, em uma ação que coloca em risco o futuro de Marçal como pré-candidato à Presidência, mesmo com a confirmação da candidatura dele ter sido feita em convenção partidária on-line também no domingo (31/7). (leia mais abaixo)


Possível cancelamento de candidatura será levado até Alexandre de Moraes, diz Pablo

Marçal comentou a mudança na liderança de partido e insinuou que poderia mover uma ação judicial. "Eu não sei quem vai ser o líder do partido, porque no apagar das luzes de domingo, o partido teve uma troca de comando, em uma decisão do STJ, eu gosto muito de direito, não vou julgar essa decisão, só acho estranha, e é o máximo que vou falar. Assim como essa chegou no domingo, chegará uma nova amanhã. E se não chegar amanhã eu vou abrir um espaço na minha biografia, porque nunca movi uma ação", disse. (leia mais abaixo)


Ao ser questionado por um jornalista sobre a convenção do Pros convocada para sexta-feira (5/8) por Eurípedes Jr, onde possivelmente haverá a oficialização do apoio à Lula, Marçal disse que estará presente e que vai "levar algumas pessoas lá e um mandado de segurança na mão". "Meu nome tá no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Minha candidatura tem CNPJ, tá registrada e vai ser o primeiro caso do Brasil que alguém vai querer fazer uma manobra dessa", afirmou. (leia mais abaixo)


"Tá lá na mão do Alexandre de Moraes, quero ver quem é que vai peitar o homem. Vai assumir agora o TSE (em 16 de agosto) e aqui já deixo meu apelo e minha confiança na Justiça. Inclusive enquanto cidadão, vou testar no polo ativo pela primeira vez, na mão do Alexandre de Moraes, e eu confio 100%. Então eu estou em paz, vou esperar e vou aparecer lá na Convenção", acrescentou. (leia mais abaixo)


De acordo com o calendário eleitoral, o Pros — e qualquer outro partido — tem até sexta-feira (5/8) para alterar qualquer candidatura. Até lá, é possível que novas convenções sejam convocadas para mudar candidatos ou decidir novas posturas na corrida presidencial. (leia mais abaixo)


Jogada de marketing? "Renúncia" mobilizou seguidores virtuais 

Influenciador digital, o posicionamento de Marçal sobre as mudanças na liderança do Pros e o risco da candidatura ser derrubada se tornou um evento. No início da noite desta quarta-feira (3/8), a conta oficial do empresário, que conta com mais de 2,3 milhões de seguidores, publicou uma imagem com um texto que se denominava uma “nota urgente”, logo antes do texto “A renúncia de Pablo Marçal”. (leia mais abaixo)


Programada para o formato híbrido, além do canal do Youtube de Marçal transmitir o evento, o influenciador promoveu a sede da empresa de coach e treinamento dele e marcou o encontro presencial para o local, em Alphaville (SP). (leia mais abaixo)


O evento ocorreu em formato híbrido, de maneira presencial na sede da empresa de coach e treinamento do pré-candidato, em Alphaville (SP), e on-line no canal do Youtube dele. (leia mais abaixo)


O chamado para o evento foi feito na conta do instagram do empresário, para os mais de 2,3 milhões de seguidores dele, em uma publicação que afirmava ser uma “nota urgente”. “A renúncia de Pablo Marçal, hoje às 20h, na Plataforma Internacional”, dizia o post. (leia mais abaixo)


Nos stories, ele respondeu um seguidor e disse que a candidatura estava em risco e, em um vídeo com a legenda “então o PT quer me tirar?”, ele diz que “tem gente que tá desesperado”.


Fonte: Correio Braziliense

Entre para nosso
Grupo WhatsApp

Fique sempre bem informado sobre as últimas notícias!