Buscar:

Envie textos e fotos: Watsssap (22) 9 9709-9308

}

Caso da Uniservitária: gravações podem comprometer suspeita de mandante

Entenda o que a suspeita de mandante pediu à uma colega de trabalho

06/09/2017 16h14 | Foto: Divulgação

Ouça os áudios 1, 2 e 3. A transcrição completa dos áudios está logo abaixo

Cunhada da vítima, apontada como mandante do crime

O delegado da 146ª DP/Guarus, Luiz Maurício Armond, que investiga o caso do assassinato da universitária Ana Paula Ramos, 25 anos, morta em emboscada mês passado e que tem como suspeita de ser a mandante do crime a cunhada Luana Sales, divulgou o áudio em que ela tenta criar um álibi com uma amiga de trabalho. O áudio foi feito através de aplicativo de mensagem, duas horas após o crime, onde Luana orienta a amiga como mentir para à Justiça em relação a sua parada numa praça pública e, ainda, sobre os R$ 500 que tinha na bolsa e foram levados pelos executores do assassinato.

Apesar do áudio de sido feito à apenas duas horas após o crime, hora nenhuma Luana esboça reação de tristeza ou espanto quanto à tragédia, somente orienta a amiga sobre como e o que falar. Além disso, também procurou outra amiga dizendo que queria “dar um susto” na vítima. A amiga, então, determinou que procurasse a polícia e que, inclusive, tinha um tio policial que poderia ajudá-la. Luana teria desconversado sobre assunto, passando a ter outro tipo de conversa.

REPRODUÇAO DO AUDIO

“Oi, amiga, eu preciso contar um negócio particular//. Você está sozinha para eu mandar o áudio//? Vai no próximo áudio//. Amiga, você tem que me ajudar//. Sai com minha cunhada hoje à tarde para ver o vestido que eu vou ser madrinha do casamento dela, depois fomos tomar sorvete, coisa e tal e depois eu tive que entregar um dinheiro a minha prima, só que (nome não audível) não sabia desse dinheiro, não sabe, na verdade, porque é um consórcio meu que tô pagando pra ela//. Aí a gente parou ali perto da pracinha do Calabouço, não tem o HGG? Depois tem o brizolão, entrando ali tem uma, fazendo o contorno é na terceira rua, na reta do brizolão, é na terceira rua, lá na frente tem uma pracinha//. Ia passar ali para pegar o dinheiro, só que a gente acabou sendo surpreendida por dois caras que levaram minha carteira, levaram até o dinheiro, os documentos, algumas coisas de cartões meus e foram puxar o celular da minha cunhada, ela rea…..ela puxou novamente e eles acabaram atirando nela//. Só que na hora eu fiquei tão desesperada que ele não sabia desse dinheiro, que eu não tinha contado pra ele, aí eu falei que eu dei aquela diferença de 5 mil pra ele e que 500 reais a empresa não devolveu//. Aí eu tinha que fazer o acerto dos 500 reais e o inspetor vai estar na agência segunda (pausa para descançar)//. Aí eu fui te entregar, os 500 reais pra você, porque você vai entrar 9 e você já vai dar baixa antes do inspetor chegar, porque eu fico com medo dele chegar e fazer a verificação na contabilidade e ver e dar problema prá mim//. Aí você falou que você “tava” saíndo do Boulevard e já ia passar aí pelo Calabouço, porque você mora ali próximo da delegacia//. Aí eu falei que ia te esperar ali perto da minha casa, na pracinha//. Aí você falou que já estava chegando, só que acabou acontecendo isso, quando você me ligou e você chegou lá, é, é, não me viu, então não conseguiu falar comigo e, e é isso//. Entendeu?, você precisa me ajudar, é só pra ele poder, só porque eu acabei falando isso e agora não tenho como voltar atrás, então, recapitulando//. A diferença é de 5 e 500, 5 mil consegui recuperar, 500 não//. O inspetor “ta” na agência segunda, você vai entrar 9, por isso eu marquei de encontrar com você//. Mas, se eu mandar mensagem, agora, você nem me responde mais não e se eu ligar agora, só me atende se eu insistir muito//. Beiiijos//. (não audível)//. Tô desesperada encontrei com …………(não audível) lá no Ferreira Machado, olha, que loucura amiga, muita doideira.

Compartilhe

Anuncie Conosco

(22) 9 9709-9308

E-mail: